terça-feira, abril 23, 2024

A miséria

 


Não quero isto no meu país!

Não me venham falar de "choque fiscal"!
Não me venham falar de caridadezinha!
Não me venham falar de festividades.
Esta é a triste realidade de um país que aldrabões querem esconder, atirar para debaixo dos tapetes que ornamentam salões onde se fazem discursos falsos e cheios de vulgaridades.
Não foi para isto que se fez um 25 de Abril de 1974!



Retrocesso

Mais uma imposição que regressa aos tempos das ditaduras salazarista e marcelista.
Quem já esqueceu um director da Escola do Magistério Primário que a título de fazer cumprir o "regulamento" apalpava as pernas das alunas com a justificação de confirmar o uso de meias!
Muitas alunas recorrendo a um lápis desenhavam o traço da meia para evitar tal abuso.
E quem já esqueceu o regulamento de qualquer escola que determinava que todo o aluno devia entrar na instituição limpo, asseado e ... penteado!
Retrocesso civilizacional!
Para quem critica as burcas noutras paragens e quer impor directrizes semelhantes por cá só merece uma classificação - idiotas!
E falam eles do 25 de Abril de 1974. 
Sabeis lá o significado da data!
Imbecis.



Desvendado o segredo do negócio!

 


Existem “putos” com sorte???

"Putos"???
Agora chama-se isso?
A língua portuguesa está cada vez mais condescendente, mais "pipi" e sem a rudeza e clarividência de outros tempos.
É a evolução da urbanidade no esgoto ao ar livre!
A dita "sorte" é fruto de muitos vasos comunicantes onde o comercial abunda!



Nojo de bugalho

E a sabujice, a conversa da tanga para enganar idiotas, os raciocínios retorcidos e maldosos valeram-lhe, para já, a suposta liderança da lista da AD ao Parlamento Europeu.
Um bugalho será sempre um apêndice oco, seco e sem valor algum que tem o destino traçado na morte lenta de um qualquer lamaçal.
Cairá como tantos outros apêndices.
Mas até lá vociferam e vomitam.
Nojo de canalha.
Bem se percebeu quando trocou a nojenta CNN pelo canal do número um do PSD!
Percebeu-se...



O que fazem? Demitam-se.

Ontem houve reunião do executivo camarário na Guarda.
Tudo seria mais um cumprimento ao chefe se não fosse um ponto da ordem de trabalhos: a aprovação ou não do pedido de empréstimo de longo prazo de 7,6 milhões de euros para financiamento de investimentos municipais.
Lembrar, pelo que nos é dito, que a ordem de trabalhos tinha «só» 40 pontos! A confirmar quando houver acta disponibilizada na página da câmara. É que isto de transparência é coisa que lhes custa muito, sabe-se de cor e salteado a métrica do engano.
Mas voltemos ao dito empréstimo - os tais 7,6 milhões de euros que um esbanjador executivo, apoiado no "Movimento Pela Guarda", cria e desejava ver aprovado.
Dizia o executivo que tal brutal empréstimo serviria para, nas sempre dúbias intenções do executivo, minimizar «os incêndios de 2022 e as intempéries, bem como com a reabilitação do parque infantil do Parque Urbano do Rio Diz e dos estaleiros municipais».
Ora um empréstimo desta ordem de grandeza a pagar nos próximos 20 anos, com juros elevadíssimos, comprometeria por completo a vida dos munícipes e dos que no futuro gerissem(??) os destinos da câmara.
Felizmente houve o bom senso e a lucidez dos vereadores do PSD e da vereadora do PS em chumbar tal empréstimo.
Não satisfeito com a decisão, o presidente Sérgio Costa, apoiado pela maioria do "Movimento Pela Guarda" reagiu como criança mimada e disse logo «ainda hoje» iria mandar suspender as obras «que já estão em curso»! Que obras, senhor Sérgio Costa? Diga quais!
Um executivo sem orçamento aprovado,
Um executivo que viu recusado o tal empréstimo negociado com a banca, e que negócio!
Que outra solução tem para além de abandonar o lugar?
Demita-se! A população está farta e cansada de mentiras, festas e muito vinho! Obras com sustentabilidade, que possibilitem o desenvolvimento do concelho são só quimeras.
Resignem-se à vossa santíssima incapacidade governativa.
Estamos fartos!



segunda-feira, abril 22, 2024

Novas regras!

E eis que vem a caminho mais uma forma de "sacar" dinheiro aos cidadãos.
O chamado REV - sistema de segurança nos veículos novos, tais como o alerta da mudança involuntária de faixa, sistema de travagem de emergência, o detetor de marcha-atrás através de radares e sensores ou o assistente de ângulo morto.
A partir de 6 de Julho o sistema vai passar a ser obrigatório.E para quando uma revisão de todo o processo de atribuição da licença de conduzir?
Cada vez se conduz pior nas estradas em Portugal.
Não interessa?



E será que pagam?

Só 75 mil euros de coimas???
Isso é o lucro das grandes superfícies em poucas horas!
Ridículo!
Publicidade enganosa? 
Há quem lhe chame roubo!



E a mentira continua!

Há quem lhe queira chamar de "polémica" para entreter!
A dona Cristina Pinto Dias disse há dias a propósito da sua saída da CP (Comboios de Portugal) e da indemnização que auferiu para ir para administradora da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes que tinha feito uma comunicação formal à CP a dar conta da saída.
Agora o ex-presidente da CP, Manuel Queiró, veio esclarecer que não houve comunicação formal da dona Cristina Pinto Dias sobre a sua saída e pior, muito pior, acrescentando que “se essa comunicação formal tivesse sido feita, o tratamento da indemnização não seria o mesmo”!
Afinal quem mente?
O contribuinte pagou!
Mas há mais....
Ao deixar a CP, Cristina Pinto Dias renunciou ao cargo de vice-presidente e aderiu ao programa de rescisões por mútuo acordo da empresa. Este programa, segundo os relatórios de 2011 e 2012 da CP, destinava-se a trabalhadores em excesso, com prioridade para aqueles próximos da reforma.
Note-se bem, as rescisões por mútuo acordo a trabalhadores em excesso!
A dona estava em excesso?
Com 49 anos e 18 anos de antiguidade na empresa, Pinto Dias recebeu uma indemnização de cerca de 80 mil euros.
Por fim, a melhor...
Miguel Pinto Luz, actual ministro das Infraestruturas e Habitação e então secretário de Estado da Infraestrutura em 2015, revelou que o Governo analisou o pagamento da indemnização, mas não encontrou ilegalidades.
Está precisar de mudar de lentes.
Se quiser aconselho-lhe um excelente oftalmologista!



domingo, abril 21, 2024

É o liberalismo, estúpido!

O país enfrenta uma inflação de, 288%.
O salário mínimo mal ultrapassa o equivalente a 200 euros e o nível de pobreza é de 41,7%.
É o liberalismo a funcionar... para o bolso de alguns!



E a Segurança Social pactua!

E os lares clandestinos aumentam!
As denúncias de maus tratos nos lares são mais que muitas!
A Segurança Social pactua com este estado de coisas.
Ninguém ajuda os mais frágeis. 
Os lares são despejo de idosos sem direitos e explorados até ao tutano enquanto as instituições que as dirigem engordam com subsídios, apoios e as parcas e miseráveis reformas dos utentes.
As condições são degradantes desde a habitabilidade, a alimentação, o apoio sanitário e médico.
Tudo falta!
E sem falar de alas para os apoiados pela Segurança Social dos que pagam a totalidade da mensalidade.
O negócio explorador aumenta sem que haja fiscalização.
Hoje fecha-se um lar para logo a seguir abrir outro, da mesma quadrilha, noutro lugar.
São como cogumelos venenosos sem respeito pelos que resistem ao fim anunciado.
Escabroso!



Mais e mais minas e armadilhas.

Muito se tem dito sobre as medidas "tomadas" pelos governos de Costa no combate à corrupção.
Só que a mentira tem perna curta, mais uma vez!
Ficou a saber-se que a Agência anticorrupção tem metade do quadro de pessoal por preencher!
E como tal existe na agência TOTAL inépcia, inércia e inacção!
Mas há mais!
Só foram gastos 37% do orçamento definido para a Agência. Logo percebe-se como nada funciona e a corrupção alastra!
Não há multas aplicadas por violação do regime de prevenção da corrupção.
A letargia da Agência é total. 
Faz-se de conta que existe sem qualquer acção!
Um verbo de encher conjugado em todos os tempos!



Idiotas e aldrabões

O tão anunciado choque fiscal para além de mentiroso ainda vai beneficiar os que usufruem rendimentos mais elevados.
Os dos escalões mais baixos "ganham" qualquer coisa como um café por mês!
Já nem vale a pena falar da descida do IRC que beneficia as grandes empresas.
O governo de um MonteNegro, elevado à condição de primeiro-ministro por um inútil, já disse ao que vem: apoiar incondicionalmente os mais ricos.