País purista a prosear bonito, a versejar tão chique e tão pudico, enquanto a língua portuguesa se vai rindo, galhofeira, comigo - Alexandre O'Neil

sexta-feira, Agosto 22, 2014

Um fardo bem pesado


As famílias portuguesas vão gastar, em média, 525 euros com o regresso às aulas.
Nos últimos três anos, os portugueses têm pago, em média, facturas cada vez mais altas para estudar: em 2010, a média foi de 499 euros; no ano passado, subiu para os 507 euros e, agora, deverá atingir os 525 euros.
Segundo um estudo recente, uma em cada quatro famílias (28%) prevê gastar entre 250 e 500 euros.
Um hábito ainda pouco enraizado nos portugueses é o empréstimo de manuais. Só uma em cada três famílias tenta poupar no momento de adquirir os manuais: 22% dos portugueses pedem emprestado a amigos ou familiares e 19% compram em segunda mão. Estas são opções que têm vindo a ganhar cada vez mais adeptos, segundo o estudo que mostra que, em 2012, foram apenas 29% das famílias e, no ano anterior, a percentagem era de 24%.
No entanto, nem sempre é possível encontrar todos os manuais necessários e, por isso, as famílias acabam por ter de os comprar em falta. Resultado: 94% das famílias terá de comprar livros novos.
Além dos livros, as famílias tencionam ainda comprar vestuário, calçado e equipamento desportivo, entre outras despesas relacionadas com educação.
Ainda de acordo com o estudo, apenas 3% dos inquiridos têm os filhos a estudar no ensino particular, estando os restantes em escolas públicas.
E por último temos uma corja a ROUBAR os salários dos portugueses.
De que se está à espera?
Que o D. José vá pastar o cavalo para o jardim da Estrela?

quinta-feira, Agosto 21, 2014

O senhor que se segue? Barba ou cabelo?

Já muito se escreveu e se disse sobre a hecatombe do BES. Pelo caminho tentaram vender-nos a ideia de que o BES e o GES são coisas diferentes. Nada mais falso! Ambos fazem parte de um sistema. De um sistema que só tem um objetivo: a obtenção de poder. Nunca, como no caso presente, foi tão verdadeiro o velho adágio de que dinheiro é poder. A corrupção e o domínio do universo político pelo poder financeiro nunca entraram tanto pelos olhos, mesmo de quem não queira ver.
Desta vez quem paga a fatura, pelo menos no imediato, são os investidores e acionistas, muitos dos quais pequenos, todos eles “convidados” a investir, ainda bem recentemente, a cavalo de garantias de solidez e de confiança prestadas por políticos e por responsáveis da supervisão. O futuro dirá se também os contribuintes pagarão o grosso de mais este desmando da ganância e da fraude. Para já limitam-se a arcar com os custos indiretos do aumento dos juros da dívida pública, com um mais que previsível agravamento das comissões bancárias em geral, e com os 3.900 milhões a título de empréstimo. O que não é pouco mas nem sequer é muito mau se olharmos para casos como o do BPN, onde a esperança de recuperarmos o que é nosso é tão grande como a vergonha de quem conduziu o processo. Confiar em promessa de político é como entregar o galinheiro à raposa, por isso convém esperar para ver.
O resto do filme é bem mais previsível: nenhum dos culpados pagará por mais esta monumental vigarice. Basta recordar Arlindo de Carvalho e Oliveira e Costa, e os poucos meses de prisão que apenas este último teve de cumprir, num universo de crimes que só podem ter ocorrido com a cumplicidade de muitos mais, para se antever mais do mesmo. Oliveira e Costa há-de morrer de velho, de cancro, ou de outra coisa qualquer, e tudo há-de continuar na mesma. E Arlindo de Carvalho ainda há-de ser presidente de qualquer coisa, provavelmente na área da saúde ou da finança, ou eu seja ceguinho e a minha mãe comigo!
Entre investigações de um Ministério Público claramente sem meios, motivação ou coragem para investigar a fundo, e incidentes processuais, recursos, anulamentos e outros truques do género, a montanha do BPN há-de parir um rato do tamanho da fraude por castigar. E o BES irá pelo mesmo caminho. Só para que conste, Ricardo Salgado já não tem nada em seu nome ou no da mulher. Pelo menos em Portugal. A não ser os 3 milhões que teve de arranjar para pagar a caução…
A verdade, dura e crua, é que os milhares de milhões que desapareceram já aquecem ao sol dos off-shores, ao lado dos do BPN, BPP, Freeports, submarinos e de tantos outros casos que me vêm à memória.
Cavaco, Passos Coelho, Granadeiro, Carlos Costa, Seguro, António Costa, e tantos outros, juntam-se a Ricardo Salgado para construir mais uma metáfora da natureza humana. A ganância de uns é tão infinita como a hipocrisia de outros e a estupidez de todos nós, a saber, aqueles que ainda acreditam no sistema e em contos da carochinha.
A caminho vêm mais cortes, com ou sem aprovação do Tribunal Constitucional. O emagrecimento desta classe média começa a roçar o raquitismo, alimentando a gordura de um sistema que nunca vai ao médico.
Quanto à democracia, essa já era. E não é de agora. Qualquer sistema onde um assalto a uma bomba de gasolina renda sempre mais anos de cadeia do que um ataque ao sistema financeiro, não passa de uma república das bananas. E das piores.
Cristiano Ronaldo, aparte os 700 mil euros de contrato publicitário anual que recebe do BES, há-de questionar-se sobre os danos à sua própria imagem, por risco de associação a um escândalo desta dimensão. Quanto à Dona Inércia, essa, ficar-se-á pela justiça. De facto, vai ser a inércia total e completa! É caso para se dizer, bardamerda para isto…


(Crónica no jornal O Interior - 14 de Agosto 2014)

O despesismo da câmara da Guarda - parte I

Foi aprovado, com carácter de urgência, numa sessão extraordinária da Assembleia Municipal da Guarda, um NOVO EMPRÉSTIMO E NOVAS TAXAS, NOMEADAMENTE, A DO IMI.
Ora é natural que o empréstimo servirá para pagar dívidas que estão por saldar, resultantes de obras e mais obras, algumas delas para «agradar» ao Cavaco e, outra parte do empréstimo será para pagar juros de juros.
Ora o que este executivo camarário faz é ir empurrando com a barriga, cada vez maior, as dívidas actualmente existentes e … aumentar ainda mais o endividamento dos cidadãos da Guarda.
Naturalmente que quem vota contra o empréstimo, SÓ PODE VOTAR CONTRA o aumento da taxa do IMI.
É que com o aumento do IMI quem vai pagar o despesismo camarário é o cidadão que vai ver aumentado o imposto da sua casa.
BARBARIDADE!
UM ROUBO!
Quem apoiou tal medida DEVE SER CHAMADO À PEDRA pelos guardenses, que vão ter que pagar a bom pagar os aumentos que uma corja de malfeitores aprovaram ou fingiram não aprovar, ficando à porta, para não se comprometerem…entras ou sais?
FICO!!
Decididamente não há pachorra para tanta mentira.
Vamos então analisar as contas OFICIAIS, sim apenas nos socorremos de dados oficiais, para se conhecer a verdadeira aldrabice que vai pela propaganda camarária.
Comecemos desde logo, e nem a propósito, pelo IMI.
Cada habitante da Guarda paga de IMI 127,53 euros.
Para se perceber como este imposto tem evoluído atente-se no seguinte gráfico:

De 2010 a 2013 houve uma variação de 19%.
É obra de roubar!
Quem paga?
O cidadão da Guarda que vai pagando as obras faraónicas e do regime, que vão aparecendo pela cidade.
Quando é que se lembram do concelho?
Quando teremos saneamento e abastecimento de água a todo o concelho?
Quando teremos as estradas arranjadas?
Quando teremos os fontenários com água potável?
Quando o problema do rio Noéme solucionado?
Quando uma nova etar?
Quando solucionado o problema das estações elevatórias?
Quando solucionado o problema das fossas a céu aberto?
Quando solucionado o problema das minas a céu aberto, nomeadamente no Barracão?
Quando…
TUDO POR FAZER!

Mas impostos para a festança da boa pança, não param de aumentar.
A denúncia da situação financeira da câmara continua.

Mais um ROUBO a caminho


É verdadeiramente VERGONHOSO como uma canalha nos assalta a todo o minuto, diria mais, ao segundo.
Agora, está pronto a ser aprovado em conselho de ministros mais um ROUBO declarado aos portugueses.
A corja tem de arranjar dinheiro nem que seja no cú da vaca.
Estamos a falar de algo que diz respeito à quase totalidade dos portugueses: as novas taxas da lei da cópia privada.
A proposta de lei do Governo para o tema da cópia privada pode ser aprovada já hoje em Conselho de Ministros. E do ponto de vista do consumidor, é importante começar já a fazer as contas.
Na nova proposta de lei da cópia privada cabem múltiplos equipamentos, desde discos, cartões de memórias, impressoras, telemóveis, tablets, set-top boxes e gravadores de áudio, vídeo, até aos próprios suportes (CDs e DVDs).
Alguns já estavam abrangidos na lei que está em vigor mas o alargamento aos dispositivos abrangidos é uma das fundamentações da contestação, para além das próprias taxas.
Para simplificar as contas que os portugueses devem fazer aqui damos uma «ajuda» para se aquilatar da dimensão astronómica do ROUBO.
Boxes : 25€
Computadores: 10€;
Telemóveis: 25€;
Tablets: 25€;
MP3 e MP4: 25€;
Discos multimédia: 25€;
Discos externos: 10€;
Memória USB: 10€;
Cartões de memória: 10€.
Bom lembrar que a estes valores se deve aplicar a taxa de IVA em vigor, ou seja 23%.
Mas há mais!
Repare-se no ridículo a que os canalhas chegaram.
Uma simples cassete de áudio vai pagar mais 0,10€, tal como as de vídeo, os CD’s 0,05€, um CD-RW mais 0,10€, assim como um DVD, sendo que um DVD-RW passará a custar mais 0,20€.
Mas a acefalia desta canalha vai até ao limite do ridículo.
As próprias impressoras vão passar a pagar entre 5€ e 12,5€.
ABSURDA ESTUPIDEZ!
A DECO diz mesmo que o documento em causa não respeita a equidade e vai penalizar o consumidor com um aumento de preços e promove o "enriquecimento ilegítimo dos autores".
Qualquer dia se um cidadão for na rua a assobiar uma qualquer canção, vai ser multado!!!!
PAGAR A CÓPIA!!
À partida somos todos "piratas"!
Portanto sejamos mesmo.
Mais uma renda garantida para alguns!
Estado Social não podemos ter, mas Capitalismo Social já!!!
São mesmo otários.... é só mandar vir de fora de Portugal, que virá sem taxa e mais barato.

A receita é simples…

A poeira começa a assentar

A comunicação social (?) sensacionalista, a de faca e alguidar, anunciava que o BES/GES tinha «patrocinado» campanhas de vários partidos.
Hoje,  com a poeira a assentar, veio-se a saber que afinal não tinha sido nada do que o jornalismo de sarjeta tinha anunciada com grandes parangonas.
Será que agora vão engolir o veneno e, RETRATAREM-SE PUBLICAMENTE?
Não acredito.
A engolir o veneno era a morte do jornalismo sensacionalista, de sarjeta que vive do crime e da maledicência alheia para proveito próprio e dos Paes deste país.
HAJA RESPEITO E CUMPRAM O CÓDIGO DA ÉTICA.
Saberão o que isso é?
DUVIDA-SE!!
Qual a razão que não vos leva a investigar os milhões que certos democratas de aviário recebem de certas empresas, nomeadamente de empreiteiros?
COBARDES E HIPÓCRITAS!
Até a máfia de leste, tráfico de prostitutas, proxenetas, álcool e drogas está altamente envolvida.
Por isso o alto patrocínio de certas polícias.... e das cuecas «baiona»!
Claro, não é cochino? 

Um filme para ser visto

«Cordas» o melhor filme de animação.
Cordas, ganhou o Prémio Goya 2014, na categoria de Melhor Curta Metragem de Animação espanhol.
É a história de uma menina doce que vive num orfanato, e que criou uma ligação muito especial com um novo colega de classe que sofre de paralisia cerebral. 
São dez minutos de pura emoção! 
Que seja o filme mais visto pelos nossos filhos e também por educadores.
Alguns bem precisam.
Esquecem-se que a escola é INCLUSIVA!
Obrigado a todas as Marias deste mundo!


quarta-feira, Agosto 20, 2014

Tenho memória

A Indonésia vai formalizar um pedido de estatuto de observador associado da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) nas "próximas semanas ou meses".
Depois da Guiné Equatorial, uma ditadura assassina eis que chega a vez da … Indonésia!
Eu tenho memória.
NUNCA ESQUECEREI AS IMAGENS DAS MORTES NO CEMITÉRIO DE SANTA CRUZ.
ENTENDES FdP?
FARTO DE TANTA HIPOCRISIA.

HAJA RESPEITO PELA MEMÓRIA DOS MORTOS QUE PERECERAM NA INVASÃO DE TIMOR.

«Este filme é dedicado a todas as mães timorenses que choraram os seus filhos mortos. E também àquelas que não puderam chorar por eles»

...mas quem se lixa é o mexilhão, como sempre!

Governo também adere ao banho com água gelada… mas quem se lixa é o mexilhão, como sempre!


Balões


Em França começou o 40.º campeonato de balonismo.
Por cá, «assopra-se» no «balão»!

Agora chama-se o quê?


«Portugal desaconselha viagens para países afectados pelo ébola!»
Portugal?
Eu não disse nada!
Nem me pediram a opinião.
Agora «Portugal desaconselha viagens para países afectados pelo ébola!» é um abuso.
Mas que Portugal? 
O do acéfalo que declarou 265 mil euros de rendimentos de trabalho em 2012. 
Que recebeu, em média, 11 040 euros (onze mil e quarenta euros) por mês. 
O que acumulou cargos em 31 instituições?
Foi esse?
Esse agora chama-se Portugal?
Mudou de nome… como o outro?
Pois, entendi … e, lá vai mais um pedido de desculpas aos países do ébola!

Se houver por lá uns milhões ai pede, pede!

Leituras

"Quando te deres conta de que para produzir necessitas obter a autorização de quem nada produz, quando te deres conta de que o dinheiro flui para o bolso daqueles que traficam não com bens, mas com favores, quando te deres conta de que muitos na tua sociedade enriquecem graças ao suborno e influências, e não ao seu trabalho, e que as leis do teu país não te protegem a ti, mas protegem-nos a eles contra ti, quando enfim descubras ainda que a corrupção é recompensada e a honradez se converte num auto-sacrificio, poderás afirmar, taxativamente, sem temor a equivocar-te, que a tua sociedade está condenada.“
AYN RAND 1950


Um continente retalhado

Esta é a África retalhada e da forma como, uma qualquer potência (?), a observa e a rapina.
Os abutres olham para o continente africano, na mira de obterem os recursos naturais, para gáudio das suas sociedades pós-capitalistas.
Vivem à custa da exploração desenfreada dos recursos do continente, com o conluio dos sobas ditadores locais, que esmagam quem ousa protestar.
Para os abutres NADA importa que milhões morram de fome, com as epidemias, com a ausência dos meios básicos para um povo subsistir, como cidadãos do mundo do século XXI.
Esta é a desgraça de um continente entregue a uma corja assassina e apoiada pelo braço armado das sanguessugas ávidas de riquezas.
Falar de democracia em África é o mesmo que ser ateu em toca de lobos.
MUNDO CÃO!!!  

Como se rouba um DIREITO


Agora percebem a génese de uma nação dita civilizada?
Agora percebem como pode uma nação construída na base da «rapina» impor aos outros o quer que seja? Muito menos falar de democracia!
Agora percebem como existe a PENA DE MORTE numa nação construída na base da chacina e extermínio de um povo nativo?
Agora percebem os medos, as fobias e os atrasos desta gente que fugiu por muitos motivos da sua terra natal, mas, principalmente, para fugirem à prisão?
Quando esta canalha se recusa a aceitar o DIREITO de um povo nativo à sua terra, como pode falar de paz?
Não me venham com a conversa da treta do direito das minorias, das integrações sociais.
TUDO ISSO É TANGA, PARA ILUDIR O QUE HÁ DE MAIS PROFUNDO: O DIREITO A SER!
PERCEBEM?
Ou querem outro desenho?
HÁ MAIS!!!
Lembrem-se do que fizeram aos índios e vejam o que fazem aos palestinos!
TUDO O MESMO!!
ROUBOS!!

Leituras

Considero Geoffrey Chaucer um dos mais importantes escritores ingleses.
Li a sua obra “Caterbury Tales”, no meu 7.º ano dos liceus, assim designado, na disciplina de Inglês.
Já na altura a considerei, mesmo com a leitura em inglês, uma obra fundamental para se perceber a sociedade medieval.
Lembro-me de um parágrafo dessa obra, que revela a forma como Chaucer olhava para o mundo que o rodeava.
Diz assim:
«Detestável e infortunada é a condição da pobreza, oprimida pela sede, pela fome e pelo frio. Sente no coração a vergonha de pedir auxílio e, se não o faz, a própria necessidade acossa-a, até deixar a descoberto a sua escondida chaga.
E, ainda que ao pobre reste o recurso de mendigar, roubar ou pedir emprestado, não deixará de censurar Cristo, ao ver com amargura como Ele favoreceu os ricos, dando-lhes uma tão desproporcionada quantidade de bens.
Assim, do mesmo modo, censurará o vizinho, acusando-o de ter tudo enquanto ele tem tão pouco, e a única consolação é pensar em como lhe arderá a cauda no inferno por não ter sido generoso para com os necessitados.
E, assim, segundo dizia um sábio: «A morte é preferível à indigência, se tens além da pobreza o desprezo do teu vizinho.»
E eis outra sábia observação, que reza: «Os dias do pobre são todos maus.»
Cuidem, pois, de nunca chegar a esse estado, pois, se tal acontecesse, odiá-los-iam os vossos irmãos e os vossos amigos abandoná-los-iam.
Ó vós, ricos mercadores!
Sois poderosos e prudentes, a sorte está do vosso lado, pois mesmo que nas vossas bolsas não haja duplos ases, desde que haja cincos e seis em abundância, podeis dançar alegremente quando chega o Natal, enquanto os pobres tiritam de frio.»
Para os cochinos, sebentos e acéfalos de hoje, tudo o que foi dito são pérolas atiradas a porcos.
Nada perceberam.
Ainda pensam que Chaucer é um jogador de futebol!

Mas que fazer?