País purista a prosear bonito, a versejar tão chique e tão pudico, enquanto a língua portuguesa se vai rindo, galhofeira, comigo - Alexandre O'Neil

terça-feira, Outubro 21, 2014

Gostei de ler


E que tal, os senhores professores de Português (deveria ser de Língua Portuguesa) lerem e comentarem com os vossos alunos este texto?
De certeza que muito haveria a aprender.
Desde logo perceber quão importante é a partilha de textos que se encontram disponíveis na Internet.
Ficar-se-ia a perceber, pelo menos, a importância da Internet na Educação.
Ou será que a acefalia de uns quantos não consegue descobrir as enormes potencialidades da Internet num qualquer processo de aprendizagem?
Fiquem com o vosso tacanho hábito de não saber que, felizmente, «ela move-se»!

«Por favor, não matem o Português
20.10.14
Na caixa de comentários deste blog, e na internet assim em geral, dou de caras com erros de português que fazem com que me benza 14 vezes e me pergunte o que é que a grande maioria andou a fazer na faculdade. Posto isto, vale muito a pena ficar a conhecer os "15 erros de português que parecem de putos da primária", uma compilação brilhante reunida pelo site Cultura X. Depois disto, ai de quem se atreva a trocar um "à" por um "há". Estou de olho em vocês.

1. Hades
“Hades cá vir bater à porta! Hades, hades”! Não, não hades. Porquê? Porque Hades é um deus da mitologia grega, o deus dos mortos, e nada mais do que isso. A forma correcta desta expressão é ‘hás-de‘, que deriva do verbo haver  (como podes verificar nos diapositivos seguintes, este verbo safado é causador de muita confusão desnecessária). A expressão ‘hadem’ também não significa o mesmo que hão-de, e essa nem sequer é um deus grego. É só mesmo uma palavra inventada e feia.

2. Trás/Traz
A cada dia que passa, lá vemos um pontapé nestas duas palavras que nada têm que ver uma com a outra. Façam lá o favor de aprender: ‘trás’ é o contrário de ‘frente’ e ‘traz’ é uma conjugação do verbotrazer, na 3ª pessoa do singular. Não podem confundir, porque estão tão relacionadas uma com a outra como a Manuela Moura Guedes está relacionada com o avião desaparecido da Malaysia Airlines. “Traz-os-Montes”? Não! Ninguém traz os montes! “Ele trás o carro” também não está minimamente correcto.

3. Morto, morrido, matado
Apesar de aparecer muito frequentemente na internet e até na televisão (é triste, mas é verdade), a expressão “depois de ter morto a mulher” está completamente errada! Morto é a condição de não estar vivo, simplesmente. Ponto final, não há outro uso para esta palavra. O que se deve dizer é “depois de ter matado a mulher”, que, apesar de ser feio e de até soar ligeiramente mal, está mais do que correcto! Portanto parem de dizer “ter morto”. Quem está morto é o Português, por causa deste tipo de coisa. O mesmo se aplica a outros verbos, como, por exemplo “ter limpo”/”ter limpado”.

4. Crer/querer
Nós cremos que não fazem por mal, mas queremos fazer o reparo na mesma. Há por aí muita gente que, infeliz e injustificadamente, não sabe a diferença entre os verbos querer e crer. Pois o Cultura X está cá para explicar: crer é o mesmo que acreditar, e não é, de todo, sinónimo de querer. Ok? Como sabes, dizer “eu creio” não é a mesma coisa que dizer “eu quero”. “Ó mãe, eu hoje creio comer hambúrguer” não faz sentido, pois não? Então não confundas estes dois verbos, para o bem de todos nós.

5. Mais bem, mais bom
E esta? Ui, menino! É certo que, em algumas situações, “mais bem” ou “mais bom” devem ser substituídos por “melhor”. NO ENTANTO, isto nem sempre acontece! Dizer coisas como “isto está melhor escrito” é tão errado como piratear e publicar fotos privadas das celebridades. A expressão correcta é – e sempre será – “isto está mais bem escrito”! Pode ser?

6. Hífenes
Todos os dias passamos pelo Facebook e vemos um monte de palavras nas quais tu colocas-te um hífen onde não o havia. Já agora, não reparaste em nenhum erro na frase anterior? Então foste mesmo tu, seu/sua delinquente!
Por favor, não confundam ‘passas-te’ com ‘passaste’, ‘colocas-te’ com ‘colocaste’ e muito menos ‘passamos’ com ‘passa-mos’.
‘Colocaste’ está no Pretérito Perfeito e o equivalente na 1° pessoa é ‘coloquei”. ‘Colocas-te’ está no Presente do Indicativo e o equivalente na 1° pessoa será ‘coloco-me’. Já de ‘passamos’ para ‘passa-mos’, altera-se o modo, o tempo, e até a pessoa!
Este é o erro mais comum na net, o mais absurdo, o mais horrível, e o que mais vontade dá de pontapear o ecrã do computador.
Tirar hífenes de onde deviam estar, fazendo o processo oposto, é um atentado igualmente grande.


7. Há / à / á
Não  aqui nada que enganar (ou, pelo menos, não era suposto haver). O primeiro é uma conjugação do verbo haver, o segundo é uma contracção e o terceiro é estúpido.
Quando dizemos “Já vi esse filme há uma semana”, estamos a dizer que já passou uma semana desde que vimos o filme, utilizando o verbo haver para o efeito. Dizer “à uma semana” é ridículo, pois o à é simplesmente uma contracção da preposição a com o artigo definido/pronome demonstrativo femininoa, e usa-se apenas em frases como “amanhã vou à praia”. A terceira opção, o á, é apenas estupidez, porque nem sequer existe como palavra, isolado.
Entendido? “Não vou há praia à uma semana” está, portanto, completamente errado.

8. Ç
Por vezes, vemos pessoas a escrever frases inspiradoras no Facebook, ou mesmo a partilhar imagens com frases que já têm centenas de partilhas, e aparece, lá no meio, uma “palavra” bela: “Voçê”. É um dos grandes problemas dos jovens, apesar de todos terem sido ensinados em condições no primeiro ou segundo ano de escolaridade.
A regra é a seguinte: um C lê-se sempre como um Q, excepto quando se encontra antes de um e ou de um i, casos em que se lê como “ss”. Ou seja, sempre que vem antes de um ou de um i, nunca leva cedilha! NUNCA. Portanto, chega de “voçês”, chega de “apareçe” e de coisas semelhantes.

9. Assério
Algumas pessoas decidiram pegar na expressão “a sério” e fundir as duas palavras, formando a magnífica palavra “assério”, ou mesmo, em casos mais extremos, “acério”, ou “asério”, que nem sequer se lê da mesma maneira (estamos a contar o tempo até começarem a escrever “açério”). Aparece várias vezes nas redes sociais e não fazemos ideia de onde foram desencantar isto. Fomos verificar e, no teclado do computador, a letra S nem sequer está próxima da barra de espaços, pelo que não pode ser um erro de tipografia. Por favor parem com isso. De cada vez que o fazem, morre um panda na China. Assério!

10. Concerteza
Mais duas palavras unidas, mais um pobre panda morto. Pouco há para dizer também acerca desta palavra, mas com certeza que está errada. A expressão correcta é como acabámos de a escrever, com duas palavras separadas, pelo que “concerteza” é apenas obra do demónio.

11. Já mais
Só para que não digamos que só andam aí a fundir palavras à toa, o pessoal presenteia-nos com esta relíquia, que é precisamente o oposto. Decidiram, então, pegar na palavra ‘jamais’ e separá-la em duas, que por acaso existem mas não cabem onde as tentam meter. Ouçam: quando querem dizer que nunca, nunca irão fazer determinada coisa, escrevam “jamais”, tudo junto. “Já mais” só pode ser utilizado em frases como “já mais tarde, fui ler o Cultura X”, ou algo do género.

12. Vez/vês
A confusão entre estas duas palavras também é ligeiramente carcinogénica. “Também vez a Guerra dos Tronos?” e “Só vi uma vês” são duas frases que, portanto, não têm jeito absolutamente nenhum. ‘Vês’ é uma conjugação do verbo ver e ‘vez’ é o singular de ‘vezes’. Não são a mesma coisa, nem de longe nem de perto.

13. Não tem nada haver
O verbo haver é, como já vimos, causa de muita confusão na cabeça de quem não é muito bom nesta coisa da escrita. “Não tens nada haver com isso!”, dizem eles, mas nós temos que intervir, para impedir um severo apocalipse linguístico. Gente, a expressão escreve-se “não tens nada a ver com isso”, caso queiram usar essa forma, que, apesar de ser um galicismo, está correcta. Ainda assim, será melhor dizer “Não tens nada que ver com isso”! E sim, nós, enquanto cidadãos preocupados com a saúde de quem lê aquilo que escrevem, temos muito “haver” com isso.

14. Poder/puder
Aparentemente, existe por aí uma enorme dificuldade em entender a diferença entre estas duas palavras mas o Cultura X, como vosso amigo que é, vai explicar: puder lê-se “pudér” e poder lê-se “podêr”. Isto, sozinho, já deve ser suficientemente explicativo mas, como mais vale prevenir do que remediar, explicamos ainda mais: deve-se usar o ‘puder’ apenas em frases como “se eu puder ir”, sendo ‘poder’ a palavra adequada em todas as outras situações, incluindo “não devo poder ir”.

15. Vírgulas
Não, desta vez a palavra não está mal escrita. Queremos só dar um pequeno reparo nas vírgulas horrivelmente colocadas. Nunca, nunca, “já mais” se separa o sujeito do predicado de uma frase com uma vírgula (ex.: a minha mãe, foi ao supermercado) e também não se colocam os atributos das palavras entre vírgulas (ex.: a sua, belíssima, mulher). Pode ser?


Agora resta-nos esperar que isto resulte! Façamos com que acabe o terror do português que parece um dialecto da Papua Nova Guiné. Contamos com a tua ajuda para mostrar isto à nossa gente!»
GOSTEI.
Será que alguém faz chegar o texto a um [C]rato?

A GOLPADA

Mais um golpe foi perpetrado pelo mestre em Kung Fu – [C]rato.
O mestre hábil quanto baste na mestria de ELIMINAR a escola pública eis que chegou onde queria: lançar o caos nas colocações de professores contratados!
E agora, José?
Agora a tarefa está «entregue» de forma directa aos directores/presidentes de câmara, regedores do regime e outras forças vivas como o abade da santa «terrinha».
Esta era a medida que faltava para uns quantos poderes instalados no terreno, se eternizarem e infernizarem a vida dos que ainda conseguem dizer NÃO!
Vai ser um sossego.
Fazes greve não te renovo o contrato!
Refilas? RUAAAA.
Reivindicas? RUAAAA.
Direitos? Quais direitos? Acabaram os direitos adquiridos.
Aqui só há um direito.
O do Chefe.
Um desejo do chefe é uma ordem.
Bufos e bufas, são os olhos e ouvidos do reizinho.
Se mijares fora do penico… RUAAA!
Aqui só se querem lambe botas, «graxistas» e meninos do coro.
Piam mas não levantam a grimpa. Caso contrário … frango assado!
Meretrizes e damas de cabelo fazem a capa do chefe.
Claro que esta aplicação da estratégia do choque nunca será comprovada. Só por milagre se provará que o caos foi propositado. Nuno Crato, um ministro bem escolhido. [C]rato só acaba o caminho iniciado pela Lulu & Sócrates.
Fia-te na «virgem» e não os corras a pontapé…
Depois choras!

A privatização é já a seguir.

A imbecilidade sem limites


O SUPER PROFESSOR CONTINUA A SER UM VÍRUS NO PROGRAMA DO [C]rato.
Depois de ter sido colocado em 75 escolas eis que...nova ronda, nova volta e agora são 95 horários que lhe saíram na rifa...
Ainda quero ver o professor colocado pelo [C]rato a dar aulas à múmia paralítica e à Maria na casa da coelha.

O embalar dos cúmplices

 
Com perdões se serenam os mijões!

A natureza é bela


segunda-feira, Outubro 20, 2014

Os novos desempregos



Nos dados do Instituto de Estatística referentes ao desemprego, já se sabe que NADA é VERDADEIRO.
Os números escondem MUITA REALIDADE.
Uma que é escamoteada diz respeito aos precários.
Ficou-se a saber que trabalhadores precários já são mais de um MILHÃO.
Que a cada dia há um aumento de 283 trabalhadores precários!
VERGONHOSO!
A isto não se referem os «doutos sábios» da arte de enganar os portugueses.
Para além do aumento galopante do número dos trabalhadores precários importa referir que a relação de trabalho está, desde logo, condicionada a favor da entidade patronal.
OU SEJA É DESIGUAL A RELAÇÃO LABORAL.
Como precários não podem exigir os seus direitos. Se o fizerem é-lhes apontada a porta de saída.
Logo CAPACIDADE REIVINDICATIVA, NENHUMA!
QUE BOM QUE É PARA O PATRONATO!
E, DEPOIS OS ORDENADOS PAGOS?
A MISÉRIA QUE SE CONHECE!
ORDENADOS DE 8.º MUNDO!
O PATRÃO A PAGAR POUCO, A CONTRIBUIR POUCO  OU NADA PARA A SEGURANÇA SOCIAL, A EXPLORAR A MÃO-DE-OBRA.
TUDO ISTO, OS DADOS ESTATÍSTICOS NÃO DIZEM!
COBARDES!
VERGONHOSO!
É O CAPITALISMO FASCISTA!

O SAQUE



Vão sendo conhecidas as demagógicas propagandas sobre o Orçamento de Estado para 2015.
Para além da hipocrisia de se dizer que todas as famílias portuguesas vão beneficiar com a hipotética descida da sobretaxa do IRS, QUANDO SE SABE QUE SÓ 50% DAS FAMÍLIAS PORTUGUESAS PAGAM IRS, agora soube-se de mais um ROUBO.
ESTE DIZ RESPEITO AO IMI.
A corja faz desaparecer a cláusula de salvaguarda.
Agora TUDO paga.
Só que paga-se MAIS & MAIS!
Amaro, presidente da câmara da Guarda e figura destacada do PSD, antecipou-se à jogada da corja e, vai de propor o aumento do IMI numa Assembleia Municipal.
Agora, os cidadãos da Guarda vão ver AGRAVADAS, AINDA MAIS, as contribuições do IMI.
Pobres de espírito os que foram na conversa lambida do presidente e apoiaram tal medida sem esboçar qualquer reacção.
INCOMPETENTES!
Pior, cúmplices directos e indirectos do ROUBO!  

domingo, Outubro 19, 2014

FALE-SE VERDADE



Quando se ouve falar no “novo” IRS do OE 2015, fala-se em deduções à colecta a rondar os 300 euros por filho, isto é, estamos a falar numa redução de 30 euros no imposto a pagar por uma família que tenha os seus rendimentos do trabalho tributados a 10% em 2015. 
Já quando se fala no novo IRC do mesmo OE 2015, cuja taxa foi reduzida em dois pontos percentuais, estamos a falar em 20 mil euros por cada milhão de lucros líquidos, isto é, por cada milhão em lucros as empresas irão beneficiar de uma redução de impostos, equivalente à de 666 famílias com um filho a cargo. 
Uma empresa como a EDP, que gera lucros diários a rondar os 4 milhões de euros, obterá uma redução em sede de IRC que é mais de dez vezes superior à soma de todas as reduções de todas as famílias que terão filhos em 2015.

Isto é que vai ser dar à luz.
PERCEBESTE AGORA COCHINO?
NÃO?
LÊ OUTRA VEZ... NÃO, MAIS MIL VEZES...
PODE SER QUE...
A memorização é o domínio cognitivo mais elementar.
NÃO SABIAS.
ÉS COCHINO! 

Um GORDUROSO


Há gente que pode ter os cursos, ditos superiores, que quiser que, NUNCA PERDEM A FORMA DE MAMAREM NAS TETAS DA PORCA. APENAS CONSEGUEM TAPAR TODOS OS SEUS INSTINTOS MALÉFICOS COM O VERNIZ DA HIPOCRISIA. MAS, ASSIM QUE OS PARES SÃO ENXOVALHADOS NO TERREIRO, LOGO SAEM DAS TOCAS PARA LHES DAREM GUARIDA.
Quando numa circunstância qualquer e, face ao que já é conhecido, o que se devia exigir era que a JUSTIÇA actua-se de forma a minorar os custos dos que foram ALDRABADOS E ROUBADOS por gente sem escrúpulos, eis que o gorduroso-mor do reino podre, dos cretinos, vem dizer esta coisa asinina:
«Espero que todos possam provar a sua inocência»!
Mas que inocência seu lambe-botas?
Aquela que te permitiu viver sempre à custa da baba do camelo?
Só pode…
Há gente que enjoa!
Desculpem mas vou ali vomitar, volto já…

Quem INVESTIGA?


ALGUMAS instituições do ensino superior, do sector público, cobram quantias máximas, permitidas pela lei, nas propinas e, utilizam tais verbas para pagar «favores» e «silêncios» a capangas a quem lhe és dado no final, quando já não interessam e estão a mais, as respectivas licenciaturas.
Não se julgue que os Sócrates e Relvas são exclusividade de certas «universidades», ou escolas de «ensino» superior.
Nada disso!
Mas, quem presta contas do quer que seja?
Quando vejo determinados «chefes» a choramingarem para MAMAREM MAIS, lembro-me das falcatruas que por aí circulam, mas às quais NADA NEM NINGUÉM DÁ CAVACO.
Pior que os milhões em notas, dinheiro vivo, que pagam luvas na política. Não há cá cheques, nem livranças e, muito menos letras a perder de vista.
Só dinheiro batido!
ESTE PAÍS ESTÁ PODRE!
COM UMA POLÍCIA QUE SE PREOCUPA COM OS COSTUMES E ALIA A INCOMPETÊNCIA À FALTA DE MEIOS, SÓ SE PODE ESPERAR O SAQUE AO PAÍS.
ASSIM SE ESCONDEM OS RANHOSOS!
ASSIM SE PAGAM SILÊNCIOS E CUMPLICIDADES PARA QUE TUDO PAREÇA EM CALMA E HARMONIA.
A PAZ PODRE, PAGA COM MILHÕES DOS CONTRIBUINTES.

sexta-feira, Outubro 17, 2014

Nem todos os constantinos são aguardentes, alguns nem bagaço


Constantino Rei, presidente do Instituto Politécnico da Guarda disse recentemente, a propósito das eleições naquela instituição, que a ausência de outros candidatos revela «falta de responsabilidade» e «cobardia»!
Senho Rei não acha redutor a análise que faz, à falta de candidatos?
Não há oposição visível, pela simples razão, que as represálias podem ser mais que muitas.
Hoje, nalgumas instituições, vive-se um clima de medo, onde os bufos e bufas campeiam, onde os lambe-botas apunhalam tudo e todos. O estado é de sítio. Pior, muito pior, que no tempo do Estado Novo. É que aí sabíamos quem eram os bufos e bufas, os pides e os cobardes dos torturadores.
Hoje só se conhecem as consequências para os que dizem NÃO!
Chamar cobardes, e pessoas sem responsabilidade a colegas revela ter capangas a proteger-lhe os flancos.
É que, não sei se sabe que a cobardia não se confunde, nem pode confundir, com chantagem e compra e venda de agentes infiltrados no reino das calmarias – A BEM DA NAÇÃO!
Não preciso de ser mais objectivo, para um senhor «douto», pois não?  
Guarde bem a capoeira, por enquanto....

É a acefalia, ESTÚPIDO


A cidade da Guarda continua a viver, sob a batuta de Amaro, das obras do regime a pagar lá para alturas da Santa Cruz.
Disse CIDADE DA GUARDA, não disse concelho da Guarda.
É que esta gente, que vai dirigindo a câmara, esquece-se que o concelho da Guarda tem uma área superior à da cidade.
Falta TUDO nas freguesias: saneamento básico, os caminhos a que chamam de estradas só têm crateras sem qualquer zona de terra, onde os fontenários continuam a ter água imprópria para consumo mas que, asinina e teimosamente, continuam a chamar-lhe de «água não vigiada»!
Tudo o que fazem é sempre na cidade.
Aliás, o que não bate a bota com a perdigota, pois contraria o discurso (sempre o discurso!) de Amaro quando reivindica mais e melhor investimento para o interior. Só que o interior para Amaro reduz-se às sedes de concelho. O resto é paisagem, mas altamente degradada e sem condições.
Mas, imagine-se que um concelho, que TUDO lhe falta, vai ter na sede, na cidade da Guarda, não um, o que já seria suficiente, mas dois campos relvados.
Pergunta-se para quê dois campos de futebol relvados?
Um para os treinos da selecção quando anda a estagiar por perto!
Outro para os alunos do Instituto Politécnico!
O dinheiro que se esbanja e nada nem ninguém RESPONDE CRIMINALMENTE por tal!
É fartar vilanagem!

É FARTAR VILANAGEM

 

A seita tem como fim ajudar os confrades.
Para estes, o voto em «Coelhos» e «Portas» é sempre a salvação para o reino do compadrio.
Bendito o reino dos trafulhas e porcos, deles será a redenção da fazenda pública.

O país está melhor? Então não está.


 
Pior que um cego é aquele que não quer ver.
No mesmo momento em que é apresentado o Orçamento do Estado para 2015, eis que o Instituto Nacional de Estatística publica um relatório ARRASADOR sobre a condição de pobreza dos portugueses.
Qualquer governo, HONESTO E COM SENTIDO DA SUA RESPONSABILIDADE SOCIAL, perante tal relatório só tinha um caminho: PEDIR A DEMISSÃO, POR INCOMPETÊNCIA!
Mas como quem não tem vergonha todo o mundo é seu, lá dizia a minha avó, os PATETAS E BRONCOS assobiam para o lado, fingindo nada verem.
Mas afinal quem votou nesta corja, para além dos acólitos?
SEM O SOCIAL AS CONDIÇÕES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO VÃO-SE DETERIORANDO! 
OS PORCOS NÃO SABEM O QUE É POBREZA, COMO PODEM ENCONTRAR SOLUÇÃO PARA O PROBLEMA?