domingo, novembro 30, 2014

E se olhasses para os «teus»?

Sábado dia 29 de Novembro de 2014, um tal M&M (Marques Mendes) no seu comentário semanal, na televisão do «regime», disse esta coisa espantosa, referindo-se ao chamado caso Sócrates:«(…) falta saber quem corrompeu quem(…), é que nestas coisas se alguém foi corrompido, então também tem de haver corruptores».
Brilhante seu corneteiro do governo.
BRILHANTE!
Por acaso já se questionou sobre o caso submarinos, julgados e condenados na Alemanha e, por cá … esquecidos?
Já se questionou sobre o caso dos carros de combate a apodrecer numa qualquer garagem na margem sul?
Já se questionou sobre o caso «labirinto»?
E a venda ILEGAL DE ACÇÕES?
Já se questionou sobre o BPN, BPP E outros?
Já se questionou sobre …
E, tantos e tantos em que há corrompidos mas onde os corruptores não aparecem; ou então há corruptores e corrompidos escondem-se!

GRANDE NÓIA, ÉS MESMO UMA MEIA LECA! 
Vai vender pentes para carecas!   

A propósito....


O Cante alentejano património imaterial da Humanidade!

A propósito de rankings

Já nos pronunciámos, diversas vezes, pela publicitação mediática do ranking das escolas. 
Não o vamos voltar a fazer. 
Dizer mais uma vez que TODO este show mediático tem objectivos claros e fins bem perceptíveis. 
Em Educação nem tudo é mensurável. Muito menos comparar o incomparável. 
HAJA RESPEITO PELA INTELIGÊNCIA DOS QUE SABEM E CONHECEM AS RAZÕES DE TAIS RANKINGS.
O RESTO É SHOW DO PIOR!
Uma pimbalhada de muito mau gosto.
Música?

Prefiro a clássica!

Pacífico? Pois....


O «cabeça» de lista do PS ao Parlamento Europeu, à Assembleia da República, pela Guarda, abandona o congresso Socialista, zangado por não ter sido convidado a integrar nenhum dos órgãos do partido.
Um amuo do paraquedista. 
E, quando um paraquedista não enxerga o terreno que vai pisar, trambolhão pela certa.
Sempre me pareceu que este paraquedista não tem «estofo» para grandes voos. 
Acertei!
Já agora, os que lhe andaram a cantar hossanas (que na minha terra chama-se lamber cús), agora podem sair de cena. 
Já cheiram MUITO MAL!
O PS só ficou a ganhar em prescindir desta superestrela, o maior da horta dele.

Mais e mais ROUBOS


A isto chama-se ROUBAR!
Para além dos 13% no corte da pensão ainda virão os cortes que a corja considerou temporários e passou a definitivos, os aumentos dos custos nos serviços, as prestações para a ADSE e um rol infindável de cortes e ROUBOS.
É FARTAR VILANAGEM!

Jornalismo «cano de esgoto»

Cá pelo burgo medieval, os papagaios são mais que muitos, e os senhores exigem-lhes vassalagem. Aconteceu que um dito jornalista questionou o presidente da Administração da Unidade Local de Saúde, da Guarda, sobre a sinalética existente, ou não existente, no edifício do «novo» hospital. Até aqui tudo parece normal. O que já não foi normal é que o dito «jornalista a medo» fez um preâmbulo à pergunta dirigida ao senhor Lino, onde entre outras coisas disse SÓ ISTO: «não é uma queixinha senhor presidente, apenas queixas dos doentes»!
A isto se chama jornalismo de «cano de esgoto».
Como se pode ter CORAGEM para perguntar ao senhor como foi «NOMEADO» pela CRESAP, pejada de compadrios e aldrabices que, inclusive, determinaram que alguns dos seus componentes tenham sido detidos?
PERGUNTEM!
Ou como pode um sujeito que sendo julgado e condenado em tribunal pode vir a assumir um lugar de chefia?
PERGUNTEM!
HIPOCRISIA!
Mas, o medo e a vassalagem vão ainda mais além. Numa recente entrevista, das muitas que tem dado a pretexto de tudo e nada, o presidente da câmara da Guarda, o social-democrata Álvaro Amaro, cada vez que era interpelado pelo jornalista de «serviço», dirigia-se ao senhor com a frase do costume: «desculpe fazer esta pergunta…». 
Mas afinal até onde chega o servilismo? 
Que trampa de jornalismo!     

sábado, novembro 29, 2014

A hipocrisia saloia


Um tipo de colarinho branco, a quem só uns papalvos comprariam um carro em segunda mão, vem dizer, após condenação, de que terá transferido 3 milhões para a Suíça, à pala de negócio enganoso a um banco (dos amigos do Cavaco), logo burla e, lavagem de dinheiro em negociata de terrenos, que a decisão do tribunal é brutal, injusta e imerecida!
Bravo!
E que tal um chá com torradas e uns pasteis de Belém na companhia de um certo casal parolo?

Ficavam TODOS muito bem…
Para mais tarde recordar... felizes para sempre!
Já agora, após a condenação o tal senhor que não pode ir para o Brasil, terá que devolver o dinheiro?
Disso ninguém fala....
Sempre os contribuintes ficariam .... mais aliviados!
E, já agora uma dúvida metódica: quando começa o julgamento dos amigos do Cavaco?
Pois, no final do mandato do senhor!
Pode ser....   

.... ou como se houvesse cão!


Há expressões que me fazem alguma confusão.
Desde pequeno que, na minha aldeia adoptiva, ouço dizer que «busca» diz-se ao cão ou à cadela para procurar caça, ou apanhar algo e trazer de volta ao dono.
Hoje, ouço com frequência a expressão «busca»!
Será que a conotação é a mesma?
A língua portuguesa é muito complicada e, com ela me vou rindo… com «certas buscas»!
«Lindo cão, dá ao dono … isso»!
E, o cão lá abana a cauda em sinal de contentamento e, come o «naco de pão» duro e bolorento, da mão do protector! 

quinta-feira, novembro 27, 2014

Uma cultura de séculos


Vede agora a planura alentejana,
Duma argila vermelha,
Amassada em suor de trágicos ceifeiros.
Este barro, esta carne em sangue da paisagem
Parece gangrená-la a chaga do sol-posto,
Que fica sobre a linha escura do horizonte,
Por essa noite adiante.
Vagam através dela aparições curiosas
De mouros a cavalo;
E a sua manta regional, garrida,
Espalhando no ar as tintas inflamadas.
De longe a longe, um denegrido cume
Põe, em alto relevo, o drama das charnecas...

Teixeira de Pascoaes

São estas notícias que nos fazem sentir CIDADÃOS DO MUNDO!
PARABÉNS A PORTUGAL!

Um filme em estreia

quarta-feira, novembro 26, 2014

Festa da idiotice

Amanhã, dia 27 de Novembro, é feriado cá pelo burgo.
Haverá distribuição de coleiras…

O seguinte…


Pulhices


Luís Montenegro disse hoje que "não há nenhuma explicação" para a tomada de posição dos quatro deputados do PSD eleitos pela Madeira, que votaram contra o Orçamento do Estado para 2015, e que vai haver consequências para estes deputados.
O líder da bancada parlamentar do PSD não quis precisar quais os procedimentos internos do partido para estes deputados, mas afirmou que "não há dúvida que vai haver consequências".
Na votação do orçamento do Estado para 2015, quatro deputados do PSD votaram contra. Os do Índex são: Guilherme Silva, Hugo Velosa, Correia de Jesus e Francisco Gomes.
À saída do hemiciclo, Guilherme Silva justificou a quebra da disciplina de voto com o desrespeito por compromissos assumidos com a região autónoma da Madeira.
Ora cá está a treta do costume.
Se não aceitas a disciplina dos maiorais vais porta fora!
Mas, um outro «dono daquilo tudo» já veio dizer que "aguardar a decisão" do processo disciplinar "já era dar importância a essa gente".
Jardim referia-se a acordos que teriam sido acertados com o governo de Passos & Portas e que depois o secretário do CDS terá inviabilizado.
"Quem é o dr. Montenegro face ao currículo dos quatro deputados?", argumentou Jardim, considerando que "há uma «mediocratização» da política e essas coisas das vingançazinhas é próprio dos medíocres", sustentou Jardim.

Arrota pelintra!
Concorde-se ou não com os métodos do Jardim mas, uma coisa é verdadeira, defende intransigentemente os interesses da sua terra.
OUTROS ACOBARDAM-SE!
Fartos de saber! 

Um afinador de pianolas

Autor de parecer invocado por Carlos Costa arrasa Banco de Portugal
Na semana passada, ouvido pelos deputados, o governador invocou pareceres jurídicos para não ter retirado idoneidade a Ricardo Salgado. 
O autor de um deles desautoriza a interpretação de Costa e arrasa o Banco de Portugal.
Foi a notícia que deu estrondo na audição do governador do Banco de Portugal na comissão parlamentar de inquérito (CPI) ao caso BES: Carlos Costa confessou perante os deputados que gostaria de ter retirado a idoneidade a Ricardo Salgado e que gostaria de o ter feito "muito tempo" antes do banqueiro se ter afastado, mas argumentou que não tinha poderes para isso. 
E invocou, em defesa da sua tese, duas razões principais: por um lado, a jurisprudência do Supremo Tribunal Administrativo (STA), por outro, pareceres de três juristas de Coimbra que chegaram ao BdP, dando força a essa jurisprudência.
Agora, um desses juristas - Pedro Maia, professor auxiliar da Faculdade de Direito de Coimbra - escreveu uma carta a desmentir o governador. E enviou cópia à comissão parlamentar. "Para esclarecimento da verdade e também para defesa do meu bom nome profissional e académico", explica na missiva. 
Ora, das duas uma!
Ou o senhor Carlos Costa interpretou MAL os pareceres emitidos pelos professores de Direito da Universidade de Coimbra. O que a ser verdade nada, mas mesmo NADA, surpreende considerando as tomadas de posição de um regulador INCOMPETENTE, ou então, o senhor Costa MENTIU, deliberadamente à Comissão parlamentar de inquérito. O que, como se sabe, CONFIGURA CRIME!
E este vai ser objecto de investigação? 
Detido à secretária da «regulação»? 
Inquirido pelo super sumo do ministério «público»?
AGUARDA-SE! 

terça-feira, novembro 25, 2014

Como se ROUBA um país


O Estado pagou à 'troika' 1 634,5 milhões de euros em juros e comissões até outubro relativos ao empréstimo no âmbito do resgate internacional.
Entre janeiro e outubro de 2013, o Estado tinha pago 1 466,1 milhões de euros em juros relativos ao empréstimo e 31,4 milhões de euros em comissões, totalizando as verbas transferidas para os parceiros internacionais os 1 497,5 milhões de euros naqueles meses do ano passado.
E, logo a seguir soube-se que o mesmo Estado arrecadou mais de 30 000 milhões de euros em impostos até outubro, mais quase 2 000 milhões de euros do que o amealhado no mesmo período de 2013. E que, até outubro, a receita líquida acumulada do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS) atingiu os 10 525,6 milhões de euros, mais 10,8% do que o amealhado no mesmo imposto no período homólogo.
Percebes QUEM PAGOU AOS AGIOTAS?
OS CONTRIBUINTES PORTUGUESES MAIS O FIM DOS APOIOS E SERVIÇOS PÚBLICOS!
A ISTO CHAMA-SE ROUBAR.
AQUI, NA CONCHINCHINA OU NA PATAGÓNIA!

SOIS UNS CRETINOS!

segunda-feira, novembro 24, 2014

Pensamento do dia de hoje!

  "As 'pessoas' não são todas iguais!"

   Pois, é claro e bem evidente: 
    Nem todas se esquecem que em tempos receberam 5.000€ por mês.


A composição do actual governo



Foram-se os anéis, ficaram os dedos?


Desde 2012 o número de lojas de compra e venda de ouro recuou 17%. 
Os tempos de abertura frenética de lojas de compra de ouro em cada esquina pertencem ao passado. 
O número de lojas que se dedicam à compra e venda de ouro não pára de cair em Portugal, com uma descida de quase mil lojas em actividade em menos de dois anos. 
A crise financeira ajudou ao crescimento deste tipo de lojas já que muitas famílias foram obrigadas a vender os seus valores para ultrapassar as suas dificuldades financeiras. 
Hoje, já não há anéis e, nalguns casos, nem dedos.
De recordar que o ‘boom' das lojas de ouro ajudou a alimentar as exportações portuguesas e o saldo da balança comercial. De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatísticas (INE), as exportações de ouro atingiram um valor recorde superior a 723 milhões de euros em 2012, contribuindo para 1,6% do total das exportações portuguesas. 
Em 2014, até ao final de Setembro, as exportações deste metal totalizam cerca de 164 milhões de euros, correspondendo a apenas 0,5% das exportações nacionais. 
Para os acéfalos do governo a quebra das lojas de prestamistas deve ter a ver, com o facto de o país estar melhor…
MELHOR?
Só se for para eles…

Falsidades


O primeiro-ministro disse hoje ser uma falsidade que a redução do desemprego se deva à emigração dos jovens, afirmando que são mais as empresas criadas no país do que as que sucumbiram à crise.
E o que tem uma coisa a ver com a outra?
Há de facto gente que se acha superiormente iluminada para enganar tudo e todos.
Este Passos é um deles.
Falar da queda do desemprego e associá-la à criação de «novas» empresas é um embuste.
Que empresas são essas?
Com que trabalhadores abrem essas empresas?
Com que condições?
Passos deveria dizer aos portugueses e, em especial à corja que o aplaude, quantos desses empregos não são conseguidos com salários de oitavo mundo. Muitos desses empregos nem possibilitam aos trabalhadores sobreviverem…só que, se não os aceitarem perdem, as poucas garantias de voltar ao mercado de trabalho. Licenciados, pós-graduados ou mestres fazem parte dos trabalhadores dessas empresas mas que auferem ordenados iguais a um outro trabalhador sem qualquer escolarização ou com escolarização mínima. Disso não fala o Coelho quando se vangloria com abertura de novas empresas que EXPLORAM O TRABALHADOR, QUE O AMITEM SOB DETERMINADAS CONDIÇÕES QUE CHEGAM A SER DESUMANAS E, POR FIM, RECEBEM UNS MÍSEROS EUROS OU ENTÃO SÃO PAGOS EM BENS ALIMENTARES.
VERGONHOSA CAMBADA QUE VIVE DA EXPLORAÇÃO DO HOMEM.

COMO DIZIA O PAPA FRANCISCO, ESTE CAPITALISMO MATA!

Ponto de vista

Começo esta minha crónica com uma declaração de intenções. Não sou dos que, quando o inimigo vai ao tapete e está em estado de agonia, o massacra ainda mais. Não, não sou. Em tudo na vida, até nas desgraças, é preciso saber ser e estar. Por isso confesso que se até não me espantaram as fotomontagens de José Sócrates agarrado a umas grades de prisão, com a legenda “Eu só sei que nada sei” colocada logo por baixo, me chocou o espetáculo que foi montado à volta da detenção em si. É que uma coisa são as emoções populares, outra bem diferente são as pulsões populistas.
Não tenho razões para suspeitar que Sócrates fugisse à justiça, caso soubesse que era procurado. Por isso, recordando que dias antes foram detidas mais três pessoas, a sua detenção em pleno aeroporto só pode justificar-se pelo risco de manipulação ou de destruição de provas após o desembarque. Ainda assim, o facto de desde o primeiro minuto se encontrarem no local jornalistas da imprensa escrita e das televisões, permite-nos perceber que alguém tratou de garantir que a detenção não passaria despercebida. E a justiça não deveria precisar de tal coisa…
Compreendo que os partidos, todos eles, tenham depois abordado o assunto com luvas de pelica. E não foi só por causa da conversa habitual de que “o que pertence à política é da política, o que pertence à justiça é da justiça”. Foi porque o que aconteceu nos envergonha a todos. Portugal é hoje notícia em todo o mundo, e não forçosamente pelas melhores razões. Por isso, qualquer partido que tentasse cavalgar esta onda, ficava a perder.
Não significa isto que o caso deva ser desvalorizado. Muito pelo contrário. Mas deve ser discutido pelas razões certas e sempre com respeito pela presunção de inocência. Assim, se os crimes vierem a ser confirmados, o resultado final será decerto bem mais incontestável e pedagógico. E olhem que bem precisados estamos, a crer num outro caso que vou contar.
Noticiou o Jornal de Notícias que a “Polícia Judiciária investiga ajuda de deputados do PSD a clínicas privadas”. A história resume-se em poucas palavras. Em Coimbra havia uma clínica a operar doentes do SNS e duas outras, concorrentes da primeira, que pretendiam fazer o mesmo mas que ainda não tinham conseguido obter autorização para tal. Até que os dirigentes das duas clínicas em causa recorreram à ajuda de dois deputados do PSD e, todos em conjunto, reuniram com o presidente da ARS do Centro. Como que por milagre, os contratos há tanto tempo almejados foram assinados logo no dia seguinte!
Esta história remete-nos para o velhinho “fator cunha” e só não chamou a atenção popular porque entretanto estoirou nos escaparates o escândalo dos vistos dourados e do caso Sócrates. E nisto de escândalos também há primeira divisão, liga de honra e campeonato distrital…
Convém além disso não esquecer que, com toda a probabilidade, foi a clínica que perdeu o monopólio que até aí detinha, quem fez chegar o assunto à comunicação social. É que a vingança por se perder um monopólio, afinal serve-se fria. Ou quente, conforme a opinião do ouvinte.
A verdade é que Portugal sofre de um deficit crónico de cidadania. E é isso que explica os numerosos escândalos a que temos assistido, que nos dariam seguramente a bota de ouro se o campeonato fosse o da corrupção e do compadrio. Dificilmente nos desalojavam do 1.º lugar europeu!
Por isso o problema não é político. Ou antes, não é partidário. O problema está no “sistema”, aquela coisa que nos governa há décadas. E o “sistema” somos todos nós. Enquanto a maioria dos portugueses continuar a achar que questionar, participar e denunciar “só dá chatices”, vamos ter cenas destas. E aí, quem estiver limpo que atire a primeira pedra.

Agora segue-se a novela habitual. Piadas em que Sócrates se questiona se não deveria ter antes melhorado o parque prisional em vez do parque escolar, ou se foi boa ideia ter inaugurado o Campus da Justiça onde agora vê abrir-se um abismo por baixo dos pés. A justiça, essa, vai andar devagar, devagarinho, parada. Como é costume. Muito bom dia a todos!

(Crónica na rádio F - 24 de Novembro de 2014)

Não há almoços grátis


Pinto Monteiro, o ex-Procurador-Geral da República, por coincidência no tempo do senhor Sócrates, teve «necessidade» de ir a uma estação de televisão, justificar um almoço que teve com o ex-Primeiro-ministro, na terça-feira dia, 18 de Novembro. Três dias antes, do ex-Primeiro-Ministro ser detido.
Pinto Monteiro disse que em seis anos à frente da PGR só almoçou esta vez a sós com Sócrates. 
Pinto Monteiro chegou ao ponto de acrescentar que o almoço teria sido «inocente»!
O que é isso de «almoço inocente»?
Pois…
Não falaram de «coisas da justiça» …. apenas e tão só de livros e viagens.
Bela associação!
E, mais uma vez, voltou a «mania da perseguição»!
Pinto Monteiro sobre o facto de os jornais terem sabido do almoço e terem descrito, "erradamente", as roupas que José Sócrates usou nessa terça-feira, diz "desconfiar" da existência de escutas.
Sempre as escutas!
Pois é!
Pinto Monteiro tem uma opinião sobre o que está a acontecer ao ex-primeiro-ministro: "Para quem está na Justiça, já nada surpreende". E não tem dúvidas: "Está a haver um aproveitamento político num caso jurídico. E uma promiscuidade entre política e justiça".
No final da entrevista, defende-se: "Almoço, como cidadão livre que sou, com quem quero". Revela que desde que deixou a PGR já almoçou com personalidades como Fernando Nogueira, Alberto Martins ou Luís Filipe Menezes ("que parece que também tem uns problemas" com a Justiça).
E lembra que este caso que envolve Sócrates já não é do seu tempo como PGR.
Como é que Pinto Monteiro sabe que não é do tempo dele?
FUGA DE INFORMAÇÃO?

Pois…
Pode almoçar com quem quiser, claro que sim!
Tem esse direito e... que tal almoçar aqui pela Guarda?
EHEHEHEHE!

domingo, novembro 23, 2014

Dá-lhe música


Medalhas, Ladroeiras, Cagadas e outras Palhaçadas

Tempos houve em que, por atos considerados relevantes para a «coroa», os reis distribuíam terras e prebendas por cavaleiros, padres e outras figuras. Mudaram-se os tempos mas não as vontades. Ou, melhor dizendo, as vontades e os hábitos…
O país assistiu recentemente, atónito, à condecoração de Durão Barroso por Cavaco Silva com o Grande Colar da Ordem do Infante D. Henrique, por “serviços de extraordinária relevância” para Portugal e União Europeia.
Durão Barroso é aquele homem que trata o sistema por tu, é o tipo do “porreiro pá”, lembram-se? Quem tiver a memória curta terá esquecido que foi o artista que deixou o país de tanga e foi engordar, durante 10 anos, para Bruxelas. Na Europa, para se ver algo que tenha feito e que mereça ser registado pela história, é preciso recorrer ao telescópio espacial Hubble. Voltou a Portugal todo inchado e com uma prosápia que só tem paralelo na reforma vitalícia de 11 mil euros por mês e no subsídio de reintegração e de transição durante 3 anos, que pode chegar aos 200 mil euros por ano. Além disso, vai ganhar um salário extra de 25 mil euros, mais despesas de deslocação.
O problema é que a velhinha cerimónia da imposição de coleiras a figurantes que muito têm contribuído para a asfixia social em que nos encontramos, não é de agora. Recordam-se da festança na Câmara Municipal da Covilhã, aquando da “merecida e singela” homenagem a José Sócrates pelo trabalho desenvolvido “a favor da cidade”? Ou da concessão, pela Universidade da Beira Interior, de um doutoramento Honoris Causa a Zeinal Bava, o homem que foi decisivo a desfazer em fumo anos de trabalho na Portugal Telecom? Ou da homenagem de há um ano, pelo Instituto Superior de Economia e Gestão, de Lisboa, a Ricardo Salgado, o homem que, foi dito na altura, “é um exemplo de liderança (...), tem as relações nacionais e internacionais certas (…), faz delas a gestão sensata, e zela pelo ativo mais precioso da atividade bancária: a confiança”? Assim mesmo, a modos da farsa mais ridícula que se queira imaginar!
Não se trata apenas da nostalgia que as elites sempre sentiram pela nobilitação. Estes rituais prenhes de parolice e vaidade, próprios das sociedades pós-aristocráticas que gostavam de tratar os servos por tu, têm por objetivo reescrever a História à custa da criação artificial de uma glória totalmente imerecida que encubra precisamente o contrário daquilo por que se homenageia! Por uma monárquica associação de ideias vem-me à memória a célebre carta dirigida por Pina Manique, Corregedor de Santarém (e futuro Intendente de Polícia do Marquês de Pombal), ao Duque de Cadaval, Corregedor-Mor da Justiça do Reino, que aqui transcrevo na íntegra:
"Exmo. Sr. Duque de Cadaval: Se meu nascimento, embora humilde, mas tão digno e honrado como o da mais alta nobreza, me coloca em circunstância de V. Exa. me tratar por tu, caguei para mim que nada valho.
Se o alto cargo que exerço, de Corregedor da Justiça do Reino em Santarém, permite a V. Exa., Corregedor Mor da Justiça do Reino, tratar-me acintosamente por tu, caguei para o cargo.
Mas, se nem uma nem outra coisa consentem semelhante linguagem, peço a V. Exa. que me informe com brevidade sobre estas particularidades, pois quero saber ao certo se devo ou não cagar para V. Exa. Santarém, 22 de Outubro de 1795”.

E mais não digo, que para medalhas e diarreias por hoje já basta. Olé!

(Crónica no jornal O Interior - 12 de Novembro de 2014)

sábado, novembro 22, 2014

IRONIA DO DESTINO


À ATENÇÃO DE PAIS, ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO, EDUCADORES E PROFESSORES.


E, se em vez de castigarem ou passarem um sermão aos vossos filhos, educandos e alunos discutissem com eles este pequeno filme.
Seria interessante ouvir a opinião deles no final e ... talvez a de muitos de vós!
Pois é!

NÃO DEVE FALTAR MUITO PARA QUE ESTA PIADA PASSE A SER UMA VERDADE.


Numa manhã, a professora   pergunta ao aluno:
- Diz-me lá quem escreveu "Os Lusíadas"?
O aluno, a   gaguejar, responde:
- Não sei, Sra. Professora, mas eu não fui.
E começa   a chorar. A professora, furiosa, diz-lhe:
- Pois então, de tarde, quero falar com o teu pai.
Em conversa com o pai, a professora faz-lhe queixa:
- Não percebo o seu filho. Perguntei-lhe quem escreveu "Os   Lusíadas" e ele respondeu-me que não sabia, que não foi ele...
Diz o   pai:
- Bem, ele não costuma ser mentiroso, se diz que não foi ele, é porque  não foi. Já se fosse o irmão...
Irritada com tanta ignorância, a professora   resolve ir para casa e, na passagem pelo posto local da G.N.R., diz-lhe o   comandante:
- Parece que o dia não lhe correu muito bem...
- Pois não,   imagine que perguntei a um aluno quem escreveu "Os Lusíadas" respondeu-me que   não sabia, que não foi ele, e começou a chorar.
O comandante do posto:
- Não se preocupe. Chamamos cá o miúdo, damos-lhe um "aperto", vai ver que ele   confessa tudo!
Com os cabelos em pé, a professora chega a casa e encontra o   marido sentado no sofá, a ler o jornal. Pergunta-lhe este:
- Então o dia   correu bem?
- Ora, deixa-me cá ver. Hoje perguntei a um aluno quem escreveu   "Os Lusíadas".
Começou a gaguejar, que não sabia, que não tinha sido ele, e   pôs-se a chorar. O pai diz-me que ele não costuma ser
mentiroso. O   comandante da G.N.R. quer chamá-lo e obrigá-lo a confessar. Que hei-de fazer a isto?
O marido, confortando-a:
- Olha, esquece. Janta, dorme e amanhã   tudo se resolve. Vais ver que se calhar foste tu e já não te lembras...!

Feijoada traiçoeira ou o outro lado da ingenuidade filosófica

O Carlos, advogado, 45 anos, bonacheirão, adorava feijoada.
Porém, sempre que a comia, o feijão causava-lhe uma reacção fortemente embaraçosa.
A sua saliente barriga inflava ainda mais, e os gases.
Um dia apaixonou-se. Quando chegou a altura de pedir a mulher em casamento, pensou:
«Ela é de boa família, cheia de etiqueta, uma verdadeira dama, não vai aguentar estar casada comigo se eu continuar assim... »
Decidiu fazer um sacrifício supremo e deixou de comer feijoadas.
Pouco depois, estavam casados.
Passados alguns meses, ao voltar do trabalho, o carro avariou.
Como estava longe, ligou à mulher e avisou-a que ia chegar tarde, pois tinha de regressar a pé.
No caminho, passou por um pequeno restaurante e foi atingido pelo irresistível aroma de feijoada acabada de fazer.
Como faltava muito para chegar, achou que a caminhada iria livrá-lo dos efeitos nefastos do feijão.
Entrou, pediu, fez a sua pirâmide no prato. Ao sair, tinha 3 doses de feijoada no estômago.
O feijão fez efeito e, durante todo o caminho, foi a peidar-se sem parar.
Foi para casa literalmente a jacto.
Peidava tanto que tinha de travar nas descidas, e nas subidas quase não fazia esforço a andar.
Quando se cruzava com pessoas continha-se, e aproveitava a oportuna passagem de um ruidoso camião para soltar os gases.
Quando chegou a casa, já se sentia mais seguro.
A mulher parecia contente quando lhe abriu a porta e exclamou:
- «Querido, tenho uma surpresa para o jantar!»
Tirou-lhe o casaco, pôs-lhe uma venda nos olhos, levou-o até à cadeira na cabeceira da mesa, sentou-o e pediu-lhe que não espreitasse.
Já sentia mais uma ventosidade anal à porta, mas controlou-se.
No momento em que a mulher ia retirar a venda, o telefone tocou.
Ela obrigou-o a prometer que não espreitaria e foi atender o telefone. Era uma amiga...
Enquanto ela estava longe, o Carlos aproveitou, levantou uma perna e «ppuueett», soltou um.
Era um peido comum. Para além de sonoro, também fedeu a ovo podre.
A plenos pulmões, soprou várias vezes, a toda a volta, para dispersar o cheiro.
Quando começou a sentir-se melhor, surgiu outro. Este parecia potente.
Levantou a perna, tentou sincronizar uma sonora tosse para encobrir e «pprrraaaaaaaa».
Saiu um rasgador tossido.
Parecia a ignição de um motor de camião, e com um cheiro mil vezes pior que o anterior.
Para não sufocar com o cheiro a enxofre, abanou o ar com as mãos e soprou em volta, à espera que o cheiro dissipasse.
Quando a atmosfera estava a voltar ao normal, eis que vem lá outro.
Levantou as pernas e deixou sair o torpedo.
Este foi o campeão, as janelas tremeram, os pratos saltaram na mesa, a cadeira saltou e, num minuto, as flores da sala murcharam.
Enquanto ouvia a conversa da mulher ao telefone, permanecia fiel à sua promessa de não espreitar e continuou assim por mais um tanto, a peidar-se e a tossir, a levantar ora uma perna ora a outra, a soprar em volta, a sacudir as mãos e a abanar o guardanapo.
Acendeu o isqueiro e desenhou com a chama círculos no ar, a tentar queimar o nefasto metano, que teimava em acumular-se na atmosfera.
Ouviu a mulher despedir-se da amiga.
Sempre com a venda posta, levantou-se apressadamente e, com uma mão, deu umas palmadas na almofada da cadeira para soltar o gás acumulado, enquanto a outra mão abanava para dispersar o cheiro.
Sacudiu e deu palmadas nas calças para libertar-se dos últimos resíduos.
Ouviu o «plim» do telefone a desligar.
Alarmado, sentou-se rapidamente, compôs-se, ajeitou o cabelo, respirou profundamente, pousou as mãos ao lado do prato e assumiu um ar sorridente.
Era a imagem da inocência quando a mulher entrou na sala.
Desculpando-se pela demora, ela perguntou-lhe se havia espreitado à mesa.
Depois de ele jurar que não, ela retirou-lhe a venda, e... SURPRESAAAAAA!!!
Estavam 12 pessoas, perplexas, pálidas e constrangidas, sentadas à mesa: os pais, os sogros, os irmãos e os colegas de tantos anos de trabalho.
Era a festa surpresa do seu aniversário...

quinta-feira, novembro 20, 2014

Como garantir a segurança do imóvel gratuitamente

IMPORTANTE:   Serviço  Público.
SINTA-SE SEGURO EM CASA, COMO EU:
Eis o que fiz:
1º - Retirei o sistema de alarme que tinha na minha casa e cancelei a minha adesão na "Neighbourhood Watch" ( Vigilância entre Vizinhos );
2º - Coloquei as seguintes 3 Bandeiras na minha varanda em postes:
- no canto direito uma bandeira da Síria;
- no canto esquerdo uma bandeira do Paquistão;
- e bem no centro uma bandeira preta do Estado Islâmico ! 
Resultado: A PSP, a GNR, os Bombeiros, a EUROPOL, a INTERPOL, a NATO, e várias agências de espionagem antiterroristas nacionais e internacionais, têm a minha casa sob vigilância 24 horas por dia, 7 dias por semana ! 
Nunca me senti tão seguro como agora!
Só ainda não sei se vou ficar a salvo de uns GATUNOS bem vestidos, de fato e gravata…

Pois, esses até com as polícias têm acordos…

Portas escancarou-se...

Portas abriram-se e escancararam-se para um Portas abrir a cloaca…
Foi demasiado mau para ser verdade.
Não me apetece comentar o que assisti.
VERGONHOSO.
Lastimável, alguém tratar uma comissão parlamentar como um «Portas» o fez.
Portas falou de tudo menos do que TINHA QUE FALAR!
Só faltou mesmo o grito do partido ÚNICO E A SAUDAÇÃO NAZI!
O resto esteve lá tudo.
Pergunto-me que democracia é esta?
Para onde vamos?
Lembro-me do manifesto Anti-Dantas...
«Uma geração que consente deixar-se representar por um Dantas é uma geração que nunca o foi. É um coio d'indigentes, d'indignos e de cegos! É uma resma de charlatães e de vendidos, e só pode parir abaixo de zero!» 

Filme de terror num lugar bem perto de si...



O filme que vai «passando» no teatro da vida, bem real, num país à beira-mar plantado e cada vez com mais GATUNOS!

É FARTAR VILANAGEM!   

O país está melhor. Então não está?

Ouve-se, com insistência, certa escumalha afirmar, com o braço bem esticado e, com a palma da mão voltada para baixo, que o país está melhor.
Mas, cada vez mais as notícias contradizem e fazem baixar os braços e puxar das baionetas.
Soube-se que os juros a que Portugal se endividou este dia da graça de 20 de Novembro de 2014 … SUBIRAM!
Soube-se que a dívida aumentou para os 132% do PIB!
Soube-se que faltam medicamentos para tratamento de cancro da bexiga.
A vacina contra a tuberculose dada a recém-nascidas entrou em ruptura…
O desemprego está a aumentar apesar das falsas esperanças dos acéfalos…
Uma múmia que habita um palácio, o de Belém está mudo… perdeu o pio!
O país está melhor? Claro que está, então não se nota…
O REI VAI NU…

quarta-feira, novembro 19, 2014

Saibam estar à altura


O ex-director, intendente dos Serviços de Estrangeiros e Fronteiras terá dito, segundo a imprensa, que SOFREU PRESSÕES POLÍTICAS PARA AGIR EM CONFORMIDADE COM O PRESUMÍVEL ESCÂNDALO, QUE É ACUSADO!
A ser verdade que o senhor Palos proferiu tal afirmação, IMPORTA SABER quem o pressionou.
ISTO É CRIME!
ISTO É CRIME!
Espera-se e deseja-se que na audição de amanhã, na Assembleia da República haja a coragem política de PRESSIONAR O PORTINHAS!
QUEM PODE TER MEDO DE TAL PATRANHA?
Se os deputados da oposição não o fizerem, ou se deixarem emerdar pelo putativo figurante, MUITO MAL VAI A DEMOCRACIA!
Já estamos em DITADURA!
E a justiça, vai ficar queda e muda?
Ou será que há mesmo MUITOS GATUNOS que estejam acima da lei?

POIS, MORREM AS VACAS E FICAM OS BOIS!

O retornado subsidiado


O agora ex-ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, vai assumir o seu lugar de deputado, na Assembleia da República. 
A informação foi avançada pelo líder parlamentar do PSD um tal Montenegro.
“Com certeza que sim. O Dr. Miguel Macedo é deputado eleito. Estava em exercício de funções governativas e tinha o mandato suspenso, mas a partir do momento que essa suspensão deixa de se operar retoma o seu lugar”, revelou Luís Montenegro esta quarta-feira, no final da reunião do grupo parlamentar do PSD.
Uma dúvida, no entanto, o senhor Montenegro não esclareceu, vá-se lá saber porquê.
O senhor Macedo vai pedir subsídio de alojamento?
Pois, era importante saber-se.

Tudo à venda


Num país cujo governo vende TUDO, até a alma ao diabo. Quem vai impedir que um qualquer foragido, procurado pela Interpol, possa comprar o que muito bem lhe der na real «tola»!
Desde chineses, venezuelanos, colombianos, americanos, africanos ou outros quaisquer serão sempre bem-vindos a este pobre e triste país, desde que tragam milhões para lavar nas máquinas da Praça do Comércio.
Alta lavandaria, com serviço personalizado e com utilização de pó branco para a lavagem do dinheiro.
SEGURANÇA COMPLETA!
Não foi o outro que disse, que a melhor forma de apanhar um GATUNO, era vir para Portugal e lavar dinheiro. Logo, mas logo, é caçado e entregue à Interpol.
Perceberam investidores «dourados».
Da próxima vez «abordem» o chefe da quadrilha.
SEGURANÇA TOTAL!
NUNCA SERÃO PRESOS.
TRAGAM DINHEIRO, PATACAS, MONEY OU CALHAUS QUE POR CÁ, HÁ MUITO PARA VENDER.
COMPREM, COMPREM CHARLATÕES! 
A BEM DA NAÇÃO!