terça-feira, abril 29, 2014

As premonições de Natália


Natália Correia - intelectual, poeta, activista social açoriana, deputada à Assembleia da República pelo circulo do PPD (Partido Popular Democrático), faleceu em 16 de Março de 1993, com 69 anos de idade.
Leiam com atenção o que ela pensava sobre o país.
Premonição?
LUCIDEZ E CLARIVIDÊNCIA SOBRE O FUTURO (TRISTE) DE UM PAÍS:

"A nossa entrada (na CEE) vai provocar gravíssimos retrocessos no país, a Europa não é solidária com ninguém, explorar-nos-á miseravelmente como grande agiota que nunca deixou de ser. A sua vocação é ser colonialista".
"A sua influência (dos retornados) na sociedade portuguesa não vai sentir-se apenas agora, embora seja imensa. Vai dar-se sobretudo quando os seus filhos, hoje crianças, crescerem e tomarem o poder. Essa será uma geração bem preparada e determinada, sobretudo muito realista devido ao trauma da descolonização, que não compreendeu nem aceitou, nem esqueceu. Os genes de África estão nela para sempre, dando-lhe visões do país diferentes das nossas. Mais largas mas menos profundas. Isso levará os que desempenharem cargos de responsabilidade a cair na tentação de querer modificar-nos, por pulsões inconscientes de, sei lá, talvez vingança!"
"Portugal vai entrar num tempo de subcultura, de retrocesso cultural, como toda a Europa, todo o Ocidente".
"Mais de oitenta por cento do que fazemos não serve para nada. E ainda querem que trabalhemos mais. Para quê? Além disso, a produtividade hoje não depende já do esforço humano, mas da sofisticação tecnológica".
"Os neoliberais vão tentar destruir os sistemas sociais existentes, sobretudo os dirigidos aos idosos. Só me espanta que perante esta realidade ainda haja pessoas a pôr gente neste desgraçado mundo e votos neste reaccionário centrão".
"Há a cultura, a fé, o amor, a solidariedade. Que será, porém, de Portugal quando deixar de ter dirigentes que acreditem nestes valores?"
"As primeiras décadas do próximo milénio serão terríveis. Miséria, fome, corrupção, desemprego, violência, abater-se-ão aqui por muito tempo. A Comunidade Europeia vai ser um logro. O Serviço Nacional de Saúde, a maior conquista do 25 de Abril, e Estado Social e a independência nacional sofrerão gravíssimas rupturas. Abandonados, os idosos vão definhar, morrer, por falta de assistência e de comida. Espoliada, a classe média declinará, só haverá muito ricos e muito pobres. A indiferença que se observa ante, por exemplo, o desmoronar das cidades e o incêndio das florestas é uma antecipação disso, de outras derrocadas a vir"."

Natália Correia.



segunda-feira, abril 28, 2014

O charlatão

Já se sabia que o anúncio do corneteiro, sobre a descida do preço do gás, quer doméstico quer industrial, era uma ALDRABICE!!!
Uma patranha enorme para época eleitoral!!
Alguém que afirma que o preço do gás vai diminuir ......daqui a 4 ou 5 anos.... é uma aldrabice.


Quem consegue dizer uma coisa e o contrário é .....um acéfalo!!

A agiotagem vai continuar


Os agiotas da «troika» vão continuar ad eternum a vigiar-nos, como se fossemos cadastrados perigosos.
Portugal vai continuar a ter visitas regulares do FMI e da Comissão Europeia até à década de 30.
REPITO: ATÉ À DÉCADA DE 30!!!
É este o futuro que a corja quer deixar aos nossos filhos?
A HIPOTECA DAS VIDAS DOS JOVENS DE HOJE?
ESTA CORJA DEVIA RESPONDER EM TRIBUNAL POR CRIME DE LESA PÁTRIA!!!
Mas, como sempre, os LADRÕES, GATUNOS E SALAFRÁRIOS ESCAPAM À JUSTIÇA, OU ENTÃO PRESCREVEM OS CRIMES!!!
O relógio que marca o fim da presença da «troika» no país é, mais um ACTO DEMAGÓGICO, ELEITORALISTA E PROPAGANDISTA, para enganar tolos!!
Haverá quem ainda acredita em tais encenações patéticas e ranhosas?
Pode ser...... 

Pantomineiros


Depois do carro das facturas surge o Ministro do Ambiente a anunciar uma suposta baixa da redução do preço do gás natural, no consumo doméstico e no industrial.
O senhor Moreira da Silva (mais um Silva) fala numa redução daqui para 3 a 4 anos......
EHEHEHEHEH!!!
Não consigo parar de rir!!!
Isto faz-me lembrar aquele cidadão que todos os dias que ia à mercearia do «Zé dos ovos», e este lhe perguntava quando pagava o calote, respondia invariavelmente, para o ano, por alturas do S. Francisco.
Este Moreira está na mesma.
Pantomineiros quanto baste!!!
Já agora, quem é o senhor que se segue a mentir?
As eleições estão para breve, já deram conta??
Pois é....
Vai de mentir, estes tipos só falam verdade quando lhes cair um braço, como ainda têm os dois.....

Anedota do dia....profunda....

O optimista é aquele que diz:
"Se isto continua assim, acabamos todos na rua a pedir esmola".
E o pessimista pergunta:
"A quem?"


domingo, abril 27, 2014

Finalmente os cortes nos PPP.....


Os cortes nas PPP feita por um PP!!!
Mas que raio, tanto P .....
PANTOMINEIROS (um eufemismo!!!)

Um dia a «barraca» cai no charco


É o fim trágico de uma estrutura que serviu os interesses de poucos e ROUBOU milhões.
Já se foram algumas das freguesias, agora seguem-se as câmaras municipais.
QUEM ROUBOU FEZ O SEU PECÚLIO, EM TEMPO DE VACAS GORDAS!!!
AGORA, EM TEMPO DE VACAS ESCANZELADAS, NEM DINHEIRO PARA O PETRÓLEO!!!
Ah!! Esquecia-me de questionar se nas tais 30 câmaras falidas(??) ainda continuam a ajustar contratos??
E, as câmaras da maioria também estão com a cabeça no cepo?
IMPORTA ESCLARECER!!!
FALTA POUCO TEMPO!!!
As contas de merceeiro estão a rebentar..... 

O país está muito melhor, então não está para eles

O país continua a ser uma porta de oportunidades para a gula financeira dos 10% dos portugueses mais ricos.
Os Belmiros, os Soares dos Santos e outros que tais, que enxovalham um povo, na sua dignidade, continuam a vender gato por lebre e a aumentarem as suas fortunas de uma forma exponencial.

O caos organizado

Isto não é em Londres, Nova Iorque e muitos menos em Portugal.
ISTO É NA ETIÓPIA!!!
País do oitavo mundo!!!
Será??
Alguém consegue explicar como é possível não existir um único acidente?
Onde está a polícia? 
A autoridade suprema do mundo civilizado, na opinião dos bacocos ocidentais?
ONDE ESTÁ???
Como, dentro da anarquia caótica existe ordem e .....PRINCIPALMENTE RESPEITO POR PEÕES E AUTOMOBILISTAS!!!
Aprendam!!!
Para que serve a ordem e a grei???
PARA PROTEGER OS PODEROSOS!!!



COMO SERIA UMA QUALQUER CIDADE DESSE MUNDO, DITO CIVILIZADO, SEM UM ÚNICO POLÍCIA A «COMANDAR» O TRÂNSITO, SEM AS ROTUNDAS PAROLAS, OS SEMÁFOROS, ETC. !!!
IMAGINE-SE!!!
QUE BONITO, BONITO!!!
E ELES É QUE SÃO ATRASADOS???

sábado, abril 26, 2014

Porque hoje é sábado

A música e as palavras de Gabriel O Pensador!!!

A mais pura das verdades.....

É mesmo verdade, o dia que Einstein temia, chegou! 
Geração de idiotas.


Auditorias


Relatório sumário da auditoria à Câmara da Guarda deverá ser conhecido terça-feira.
O relatório sumário da auditoria externa à situação financeira da Câmara da Guarda deverá ser conhecido na próxima reunião da Assembleia Municipal, agendada para o dia 29 deste mês. 
A informação foi prestada presidente da autarquia, Álvaro Amaro, durante a reunião do executivo municipal. De recordar que o autarca social-democrata decidiu avançar com uma auditoria externa por não ter ficado satisfeito com a auditoria interna às contas do município. 
Por ajuste directo, o município viria a celebrar contrato, no dia 27 de Dezembro do ano passado, com a empresa “Marques Cunha, Arlindo Duarte & Associados SROC, Lda”, pelo valor de 22 mil e 500 euros. A empresa tinha um prazo de 20 dias para concluir a auditoria, mas afinal de contas só agora, passados mais de três meses de finalizado o prazo, deverá ser conhecido, embora sumariamente, o relatório.
Ora da auditoria apenas vai ser conhecido o sumário do relatório!!!
Ou seja, ESBANJARAM-SE 22 mil e 500 euros, DINHEIRO DOS CONTRIBUINTES, que com sangue, suor e lágrimas vão pagando estes e outros devaneios de uma escumalha que NOS ROUBA ATÉ AO TUTANO.
O senhor presidente da câmara TEM O DEVER de INFORMAR OS MUNÍCIPES do resultado da auditoria. EXIGE-SE que haja toda a transparência na informação. Não se tente enganar NINGUÉM!!!
Exigimos a auditoria e não um simples e ordinário relatório. Se o prazo da conclusão da auditoria não foi cumprido pela empresa, o presidente da câmara tem de pedir a respectiva indemnização e accionar judicialmente uma acção contra a mesma. O DINHEIRO NÃO LHE PERTENCE SENHOR PRESIDENTE!!! 
Que espera o senhor Amaro? 
Alguma coisa esconde?
QUEM TEM MEDO DE VIRGINIA WOOLF???  OU SERÁ, QUEM TEM MEDO DO LOBO MAU? 
Aguarda-se!!!
O povo é sereno....e já começa a cheirar a podre!!!
A montanha vai é parir um rato.....

Os galhos são poucos para tantos pardalões

O folhetim da nomeação dos secretários da CIM (Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela) continua a mostrar o lado mais escabroso e oportunista desta canalha do arco do poder.
Decididamente não se entendem PS, PSD e CDS!!!
Os mesmos de sempre!!!
Eles fazem reuniões preparatórias para «acertarem» tudo, para indigitar os nomeados e .... quando chega a hora de votar, a confusão é geral.
Quem tinha sido acertado e combinado para os galhos, são preteridos e não conseguem ter os votos necessários para serem eleitos. Nova reunião, mais combinações e..... tudo de tanga!!!
Não há votações, não há consensos com ou sem galos, galinhas e outras aves de capoeira, que sendo aves, não voam.
A confusão é total.....
É que os passarões são tantos que os galhos são poucos!!
Toda esta cena hilariante de apoiantes de agora, a passarem-se para não apoiantes de amanhã, faz-me lembrar um habitante da aldeia da minha avó que, numa reunião realizada na associação da terra e, depois de muita discussão sobre o futuro da agremiação e, percebendo da inutilidade de tanta reunião, pediu a palavra e disse na sua inocência de aldeão sabedor e atento do que se passava e, principalmente, do que não se passava:   
«Os sócios que não são sócios, estão sentados. E, os sócios que são sócios estão de pé!!».
O serrano, como dizia o mestre Aquilino Ribeiro, é confinado nas suas barrocas e corujeiras (...) entregue aos individualismos que derivam inevitavelmente da sua inexpansão, é mais bárbaro, bronco e indócil do que o irmão da planície” (Arcas Encoiradas, p. 115).
Depois de todo o imbróglio da nomeação dos secretários e, para que todos os pardalões tenham um lugar ao sol, vai de nomearem não dois mas três secretários....é que assim já entram os pintos, que quando arranjam crista logo querem mandar!!!
Ou seja, nas palavras de um Vítor Pereira, que não o treinador de futebol, seria encontrada uma solução produtiva e... consensual!!!
O que é isso de produtiva numa CIM???
Assinar papeis e ser o 3.º secretário??
Entendido.
Pois é, as soluções não são pretas nem brancas.
Às vezes bem rosas ou antes laranjas??
O tempo o dirá, mas apressem-se pois os fundos (das calças) estão já a chegar.....no SUD EXPRESS ou de avião, no aeroporto da Covilhã, ainda não se sabe, só o Maduro, que é Poiares, o pode dizer!!!

Admirável

Quando uma obra é imortal qualquer instrumento valoriza-a, ainda mais, mesmo julgando-se que seria impossível.
A 4 mãos a Grândola, Vila Morena do Zeca Afonso, interpretação de Bernardo Sassetti & Mário Laginha.

O Assassino da Economia

Uma breve e ilustrada explicação sobre como os países pobres são reféns das super elites globalistas, os quais vão inevitavelmente impor um governo mundial fascista e escravizante das sociedades de todo planeta. 
IMPERDÍVEL.

Desertificação

Allan Savory nesta palestra serena e poderosa fala-nos de desertificação.
A desertificação no verdadeiro conceito do termo - a terra a transformar-se em deserto.
É que alguns bacocos, parolos e suínos utilizam a palavra desertificação no sentido de despovoamento o que são coisas totalmente diferentes.
Assustadoramente, a desertificação está a acontecer em cerca de dois terços dos prados do mundo, acelerando a mudança climática e causando o declínio das tradicionais sociedades pastoris para o caos social. 
Savory dedicou grande parte da sua vida a combater a desertificação. 
Ele acredita - e o seu trabalho confirma - que há sempre um factor surpreendente que pode proteger os prados e até recuperar terras degradadas que já foram desertos. 
A NÃO PERDER!!!


sexta-feira, abril 25, 2014

A cantiga é mesmo uma arma

Este ano, nas comemorações do 25 de Abril, na sessão realizada na Assembleia da República, onde os militares não tiveram lugar, «problema deles», verificou-se que muitos dos convidados e residentes escusaram-se a colocar na lapela um cravo vermelho. Coisa que tinham feito, pelos vistos, a contragosto em anos anteriores.
A razão não está na falta de cravos ou na austeridade que coíbe os «marrecos» de comprarem um simples cravo.
Nada disso!!!
No ano passado, para além daquela patética «cena» do arranjo principal, por pouco, não caiu na cabeça do Coelho, Portas & C.ª, houve nas redes sociais imensos comentários à hipocrisia da escumalha em não cumprir o que tinham prometido e atirado milhões para a fome e, usarem um símbolo da revolução logo na lapela....e, vai de levarem com a cantiga do José Barata Moura, “Cravo vermelho ao peito/ a muitos fica bem/ sobretudo faz jeito/ a certos filhos da mãe”. “Não importa quem eles eram. /Não importa quem eles são. /Nem todo o mal que fizeram, / mas sempre a Bem da Nação! E chegado o dia novo, /chegada a bendita hora, / vestiram a pele de povo, / ficou-lhes o rabo de fora…”.
Este ano, para não se sujeitarem a mais e mais críticas retiram os cravos.....
Só que alguns esqueceram-se das bandeiras à lapela....
Para o caso deixou de ser hipocrisia mas passa a ser pirosada.
A cantiga é mesmo uma arma.....
 

Como se estraga um sonho

O que fizeram ao 25 de Abril?
Ouçam a canção do José Mário Branco e .....PERCEBE-SE TUDO!!!
Ouvir muito bem....depois já sabes....
A NOSSA FESTA SE ESTRAGOU....
FOI UM SONHO LINDO QUE ACABOU...
O resto são cantigas da trampa e conversas da teta e da treta!!!


40 anos.........Parabéns




quinta-feira, abril 24, 2014

Ainda e sempre Gabriel García Márquez


Encontrei esta preciosidade do gosto pela leitura.
Quero-a partilhar.
Para todos aqueles que não gostam de ler, fica aqui uma das mais belas prosas que já mais li sobre o gosto pela leitura.
Ler, aprender e ver mais além.
De quem havia de ser?
Pois de Gabriel Garcia Márquez que fisicamente desapareceu, infelizmente.
Mas para o nosso contentamento ficam as suas obras, eternamente, a chamarem-nos à leitura.
E, como ele o sabe fazer.....
Se ele te fez sentir a vontade, a necessidade de leres.....que contente ele ficará.
Sei que a cultura é coisa que uns escabrosos não querem que seja universal.
Sei quão difícil é adquirir um simples livro.
Sei.
Mas regista-te numa biblioteca e requisita um livro.
Vais ver quantos amigos vais fazer.
E agora lê o texto:

« O Vício de Ler
O vício de ler tudo o que me caísse nas mãos ocupava o meu tempo livre e quase todo o das aulas. 
Podia recitar poemas completos do repertório popular que nessa altura eram de uso corrente na Colômbia, e os mais belos do Século de Ouro e do romantismo espanhóis, muitos deles aprendidos nos próprios textos do colégio. 
Estes conhecimentos extemporâneos na minha idade exasperavam os professores, pois cada vez que me faziam na aula qualquer pergunta difícil, respondia-lhes com uma citação literária ou com alguma ideia livresca que eles não estavam em condições de avaliar. 
O padre Mejia disse: «É um garoto afectado», para não dizer insuportável. 
Nunca tive que forçar a memória, pois os poemas e alguns trechos de boa prosa clássica ficavam-me gravados em três ou quatro releituras. 
Ganhei do padre prefeito a primeira caneta de tinta permanente que tive porque lhe recitei sem erros as cinquenta e sete décimas de «A vertigem», de Gaspar Núnez de Arce.
Lia nas aulas, com o livro aberto em cima dos joelhos e com tal descaramento que a minha impunidade só parecia possível devido à cumplicidade dos professores. 
A única coisa que não consegui com as minhas astúcias bem rimadas foi que me perdoassem a missa diária às sete da manhã. Além de escrever as minhas tolices, era solista no coro, desenhava caricaturas cómicas, recitava poemas nas sessões solenes e tantas coisas mais fora de horas e de lugar que ninguém entendia a que horas estudava. 
A razão era a mais simples: não estudava.
No meio de tanto dinamismo supérfluo, ainda não entendo por que razão os professores se interessavam tanto por mim sem barafustar com a minha má ortografia. 
Ao contrário da minha mãe, que escondia do meu pai algumas das minhas cartas para o manter vivo e outras mas devolvia corrigidas e às vezes com os parabéns por certos progressos gramaticais e o bom uso das palavras. 
Mas ao fim de dois anos não houve melhorias à vista. 
Hoje o meu problema continua a ser o mesmo: nunca consegui entender por que se admitem letras mudas ou duas letras diferentes com o mesmo som e tantas outras normas sem razão. 

Gabriel García Marquez, in 'Viver para Contá-la'»

ADMIRÁVEL MUNDO, O DAS PALAVRAS!!!


quarta-feira, abril 23, 2014

Sopa de urtigas


Se dúvidas existissem sobre os defeitos deste personagem SINISTRO, ficariam aqui e agora DESMASCARADAS!!!
A «austeridade» que nos é IMPOSTA, pela CANALHA, serve para isto mesmo: ENCHER A PANÇA AOS AGIOTAS!
QUANTO À MUDANÇA DE DISCURSO QUANDO SE É OPOSIÇÃO E PODER É PRÓPRIO DOS COBARDES E PORCOS.
UNS RATOS DO CELEIRO ONDE O CENTEIO NÃO LHES FALTA!!!

A toda a parte chegam os vampiros
Poisam nos prédios poisam nas calçadas
Trazem no ventre despojos antigos
Mas nada os prende às vidas acabadas.

Ponto de vista

Aproxima-se a data que marcou para sempre as nossas vidas. O 25 de Abril de 1974! 
Sucedem-se, a ritmo alucinante, comemorações, evocações e outras coisas que tais. 
Nuns casos é notório o desejo de alguns se colocarem em bicos de pés, só para que dêem por eles. 
Noutros vislumbra-se a hipocrisia de quem nos quer fazer crer que até respeita a democracia, apesar de na prática suportar uma ditadura económica e social das mais ferozes e sanguinárias dos tempos modernos. 
No meio, o povo anónimo, que olha estupefacto para o desenrolar de tudo isto.
Vem a propósito um episódio que ilustra bem a forma como certa gente, de barriga cheia, olha para o 25 de Abril. 
Um dia destes a presidente da Assembleia da República afirmou que se os militares da Associação 25 de Abril não forem ao Parlamento nas comemorações do aniversário dessa data, "o problema é deles".
A doutora Assunção Esteves está equivocada. 
O problema não é "deles". 
O problema é da senhora presidente da Assembleia da República que não quer correr o risco de ouvir verdades que não lhe agradem. Prefere por isso o sossego da rotina, que por sinal já cheira a podre.
O problema é da senhora presidente da Assembleia da República, que, com muita falta de bom senso, se esquece de que só se senta na cadeira em que se senta porque os militares que ela não quer ouvir um dia arriscaram a sua vida para que tal fosse possível.
O problema é da senhora presidente da Assembleia da República que, com fraca memória, se esquece que desta vez se comemora uma data redonda - 40 anos - sobre o dia da revolução, pelo que seria totalmente admissível que se permitisse, que fosse também dada voz aos militares que abriram o caminho para a existência desta Assembleia da República.
O problema é da senhora presidente da Assembleia da República porque, se não fosse tão mal agradecida, se recordaria de que a soberba reforma que hoje aufere por ter sido juíza do Tribunal Constitucional durante alguns anos só é possível porque os militares que não quer agora ouvir permitiram que tal fosse possível.
Pensando melhor, contudo, talvez o problema não seja da senhora presidente da Assembleia da República. Talvez o problema seja mesmo do país que aceita ter como segunda figura do Estado alguém que já demonstrou - por várias vezes - não ter um pingo de bom senso.
Assunção Esteves é uma personagem no sentido plano e caricatural do termo. Nos romances, as Assunções surgem nos capítulos secundários para darem um colorido sociológico ou histórico ao cenário onde a personagem principal actua. Ora, Assunção Esteves representa o colorido cómico de um certo Portugal, o Portugal da comédia snob e do nariz empinado por questões de nascimento. 
Sim, é o Portugal que brinca aos pobrezinhos, mas também é o Portugal que quer brincar aos riquinhos. 
Assunção Esteves encaixa na segunda espécie. 
Julgo que aqueles que brincam aos pobrezinhos têm uma palavra gira para descrever esta segunda categoria: possidónios. Palavra giríssima, como diria qualquer tia de Cascais.
À segunda figura do estado custa recordar que o seu pai era alfaiate. Aquilo que deveria ser motivo de orgulho para um cidadão normal é para ela motivo de vergonha. Como é evidente para qualquer possidónio, a filha de um pobrezinho não pode chegar ao topo, é contranatura.
Os regimes mudam, mas este Portugal não morre. 
A comédia social parece ter o dom da imortalidade. 
Tal como no 24 de Abril, ainda temos por aí fidalgos a viverem em bolhas sem qualquer contacto com a realidade. 
Fidalgos wannabe , como dizem os ingleses, que querem à força brincar aos riquinhos, sobretudo porque nunca digeriram convenientemente uma revolução que um dia os meteu a ridículo e que gloriosamente os humilhou.

Tenham um bom dia apesar de alguns disparates hilariantes que por aí se vão lendo e ouvindo.

(Crónica na Rádio F - dia 21 de Abril de 2014)

Mais um do BPN a mamar na porca

NOMEAÇÃO DE JOÃO CATARINO, MAIS UM DO BPN PARA O GOVERNO, SEM PASSAR PELA PRISÃO?


"O Professor do ISCSP, João Catarino tomou posse como membro da Comissão de Reforma do IRS, tendo sido convidado para o efeito pela Ministra das Finanças em reconhecimento da sua elevada competência nesta matéria." FONTE

Governo nomeia mais um, cujo currículo, poderia ser confundido facilmente com um cadastro, se vivêssemos num país decente, onde os portugueses fizessem sentir vergonha, aos desenvergonhados.
Para fazer a reforma do IRS, não havia melhor, que grande pinta.
"O que interessa agora recuperar o caso dos perdões fiscais milionários concedidos por Oliveira Costa durante a primeira maioria absoluta de Cavaco Silva, há 25 anos?
É simples: acabam de regressar das brumas do tempo com a nomeação de João Catarino, braço-direito de Oliveira Costa na Secretaria de Estado dos Assuntos Fiscais em 1989 para a comissão que vai reformar o IRS.
João Catarino, então um jovem adjunto daquele que viria a ser anos depois o todo-poderoso patrão do BPN, deu o parecer decisivo para que Oliveira Costa concedesse um polémico perdão fiscal (juros e multas) à cerâmica Campos, indiciada na investigação da Polícia Judiciária de Aveiro ao contrabando de tabaco, que hoje seria na ordem dos 2,5 milhões de euros. Este caso originou uma comissão de inquérito parlamentar dirigida por Rui Machete, que obviamente ilibou Oliveira Costa para gáudio desse PSD cavaquista à beira de uma segunda maioria absoluta. O inquérito, porém, teve a enorme utilidade de nos mostrar como foi possível entregar a uma única pessoa por via legal o poder discricionário de negociar directamente centenas de milhões de euros em dívidas fiscais.
O enquadramento é simples. Entramos na União Europeia em 1986 e os governos do PSD têm de adaptar o regime fiscal às exigências comunitárias. O caos dominava na máquina fiscal. A Inspecção-Geral de Finanças assinalava 3 milhões de processos à beira da prescrição e 264 milhões de contos (mais de 1,2 mil milhões de euros) por cobrar.
Primeiro houve uma amnistia em 1986. Depois, já em 1988, houve uma nova lei a que chamaram de “tréguas fiscais”. Por fim, Oliveira Costa e a sua equipa ficaram com o poder de despachar no remanso e sigilo do gabinete as centenas de processos dos maiores devedores. À sombra do financiamento das campanhas eleitorais e do PSD – cujo aparelho, liderado por Dias Loureiro, fez campanhas e comprou uma sede nacional nova –, o dinheiro rodou sem controlo e não foi todo para essa fase de extravagante financiamento partidário.
João Catarino pode ser apenas um jovem adjunto, que se limita a sobreviver nesse temporal que Oliveira Costa criou, mas ficou inexoravelmente ligado a esses tempos negros em que o Fisco foi transformado em poderosa arma para prejudicar inimigos e ajudar amigos. Em que o Fisco foi dominado por uma lógica de delinquência política e abriu caminho, através do favor aos  amigos do partido, às origens remotas do BPN. Como é habitual cá no burgo, ninguém foi punido e essa equipa de burocratas sem rosto sobreviveu até hoje no exercício de cargos de poder. Invisíveis e cada vez mais peritos na arte de conformar a lei aos desígnios insondáveis de interesses particulares."
O BPN FOI O FUNDO ONDE POLÍTICOS SE SERVIRAM DOS MILHÕES QUE LHES APETECEU E FOI A ACADEMIA DE FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SAQUE?

PASSOS COELHO NOMEOU:

- O MACHETE, GRANDE CHEFE DA MÁFIA BPN, PARA MINISTRO DOS NEGÓCIOS.....ESTRANGEIROS!!! 

- NOMEOU MARIA ALBUQUERQUE, A TAL QUE DECIDIU, QUAL A PARTE DO BPN QUE FICAVA PARA O POVO PAGAR, OU SEJA TUDO, E MAIS UNS TROCOS. A MISS SWAPGATE QUE JÁ VEM DO GOVERNO SÓCRATES.

- PROMOVEU O PORTAS DOS SUBMARINOS E DOS PANDUR.

- NOMEOU TAMBÉM O PAIS JORGE, DAS PPP, DAS SWAP E DAS SCUTS.

- EM MARÇO DE 2014 NOMEIA MAIS UM DA FAMÍLIA BPN, JOÃO CATARINO. BRAÇO DIREITO DE OLIVEIRA E COSTA NO BPN E ENVOLVIDO EM MAIS CASOS SUSPEITOS DE OLIVEIRA COSTA.

- E AINDA HÁ MAIS DOIS NOMEADOS PARA O GOVERNO, DA GRANDE FAMÍLIA BPN, QUE POUCOS CONHECEM. UM FOI PAULO MACEDO QUE O NOMEOU, PARA ESTUDAR OS CORTES DO SNS. O OUTRO ERA APENAS UM JOTINHA... 

Um português, só podia ser!

A capacidade inventiva dos portugueses não tem limites.
Até conseguimos fazer de um «invisível» um pedinte!!!
Quem mais o conseguiria fazer neste mundo?
Os portugueses, com certeza!
Mais um artista de rua português!

E ainda dizem que os portugueses não têm capacidade empresarial!
EMPREENDEDORISMO À PORTUGUESA, PÃO E VINHO NA MESA!!!


ESTE É O MEU POVO!!!
ESTE É O POVO A QUE ORGULHOSAMENTE PERTENÇO!!!
CRIATIVIDADE, ESTÚPIDO!!

terça-feira, abril 22, 2014

A justiça dos «poderosos»


.....muitos deles directamente para a prescrição.....
Assim vai a «tal» justiça....fraca para os poderosos e forte para os fracos!!

Visto para engavetar


Este canalha acha que pode entrar num país, mesmo que intervencionado, mesmo na dependência económica e financeira, mesmo sem soberania, sem ter um VISTO DE ENTRADA!!!
Podem fazer o que quiserem dos «parceiros amigos» do governo.
Já o país é coisa bem diferente!!!
Somos cidadãos de um país que se tornou independente em 1143!!
Aprende agiota burro!!!
MAIS CORTES NAS REFORMAS, PENSÕES E SALÁRIOS DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS É O QUE A QUADRILHA SABE FAZER!!!
RUAAAA COM OS AGIOTAS E COM OS ANDEIROS QUE SE VENDEM POR UM PRATO DE LENTILHAS PODRES!!1
REDUZIR SALÁRIOS PARA COMBATER O DESEMPREGO É A RECEITA DOS ACÉFALOS.
OU SEJA, SALÁRIOS COMO OS DO PAÍS DO SUBIR LALL, PARA ATRAIR EMPRESÁRIOS E INDÚSTRIAS DESONESTAS, É O QUE A ESCÓRIA QUER FAZER.
UNS ABUTRES DOS TEMPOS MODERNOS.
A Índia é o país que mais trogloditas porcos produz para serem os testas de ferro, de organismos não eleitos, mas que são mandantes e repugnantes como as cobras que se passeiam nas ruas imundas do país da escumalha.
Um país que tem vacas sagradas só pode parir gente desta - PORCA!!!   


INCOMPETENTES

Podem dizer o que quiserem sobre a eficiência da polícia portuguesa.
Podem dar-lhe as maiores condecorações, com ou sem coleira.
Mas, são tantos e tantos os factos que, por ERROS de INVESTIGAÇÃO, os supostos arguidos não são condenados!!
Por INCOMPETÊNCIA e INCÚRIA os arguidos fogem sem deixarem pistas!!!
Por desleixo as investigações prolongam-se indefinidamente .... até ao fim desejado....PRESCRIÇÃO!!!
Uma polícia que é comandada por incompetentes e acéfalos.
UMA POLÍCIA QUE PROCURA UM FORAGIDO, POR CAMPO ABERTO, DURANTE CINCO DIAS, É UMA NÓDOA!!!
INCOMPETENTES!!!
Razão tinha o «solitário», o assaltante espanhol, que após ter sido «caçado» pela polícia portuguesa exclamou estupefacto: «Logo apanhado pela polícia portuguesa, nem posso acreditar»!!!
Se os criminosos o confessam.... não resta mais nada que pagar ordenados a parasitas sociais!!!
MULTAS & CONTRA ORDENAÇÕES E, PRINCIPALMENTE, CARREGAREM SOBRE CIDADÃOS QUE CLAMAM POR JUSTIÇA, PÃO E EMPREGO É O QUE SABEM FAZER.
Foram formatados para morder e bater.
Como dizia o Sttau Monteiro, DETESTO FARDAS DE QUALQUER ESPÉCIE!!!
MUITO MAIS QUANDO TÊM UMA ARMA NA MÃO!!!!

O canto dos martírios

A cultura popular genuína também acaba com o despovoamento. Só restam as pedras, apesar de vivas de memória, não transmitem tradições e saberes. 
Triste povo da beira serra!!! A agonia é já total.

Desafios


Ética e Ciência, múltiplos desafios: Alexandre Quintanilha

segunda-feira, abril 21, 2014

Feira Medieval de Castelo Mendo


FEIRA MEDIEVAL DE CASTELO MENDO
DIAS 26 E 27 DE ABRIL DE 2014
DIA 26-CEIA do MENDO:
PREÇO:10 mendos.
RESERVAR ATÉ DIA 22.
CONTACTOS: 912149316/916237914/uf.cmamm@gmail.com
DIA 27-TRADICIONAL MERCADO MEDIEVAL NA VILA HISTÓRICA DE CASTELO MENDO

Um símbolo

Um parolo, candidato à PIDE (DGS), veio dizer que não há donos do 25 de Abril.
Claro que não há donos seu cobarde e hipócrita.
Não se querem donos de NADA, muito menos de datas marcantes da história de um povo, percebes porco?
Tu que não sabes o que é estar preso, só por se pensar de maneira diferente.
Tu que não sabes o que é estar num campo de concentração, sofrer todo o tipo de castigos e sevícias ultrajantes para um qualquer ser, muito mais humano.
Tu que não sabes o que é passar fome, ter ordenado de miséria que não chega sequer para comprar um pão.
TU QUE ÉS UM HIPÓCRITA SUJO.
Cala-te para sempre.
Deixa de falar em donos e muito menos em «cercos».
Cercados, silenciados, perseguidos, ultrajados e sem direitos esteve um povo durante 45 anos enquanto outros se calavam, vergavam-se perante a opressão e comiam, lambuzando-se, as migalhas que caíam da mesa dos poderosos.
ÉS UM COBARDE.
Em vez de falares de «cercos» fala de ROUBOS.
FALA COBARDE!!!
Os ROUBOS que uns perpetraram e perpetram contra um povo indefeso.
SEMPRE ESTIVESTE DO LADO DOS FORTES E PODEROSOS.
ÉS UM COBARDE.
ESTE NÃO É, NUNCA FOI E NUNCA SERÁ UM DONO DE NADA.
ATÉ LHE RECUSARAM UMA PENSÃO.
NUNCA QUIS HONRARIAS.
NUNCA QUIS LUGARES OFERECIDOS.
ESTE SIM, O MEU HERÓI. POR MUITO OU POUCO QUE VIVA, SALGUEIRO MAIA É DOS POUCOS QUE MERECEM RECONHECIMENTO DE UM PAÍS.
TU NUNCA FICARÁS NA HISTÓRIA. APENAS NAS ESTÓRIAS DE SEBENTOS E PORCOS QUE NÃO TÊM COLUNA VERTEBRAL. 
A TUA POSIÇÃO PREFERIDA É DE CÓCORAS, SEU PORCO. A CHAFURDAR NAS VIANDAS DOS RESTOS DOS OUTROS MANDANTES!
(Qualquer semelhança entre a personagem a que me refiro com a realidade é pura coincidência. Daquelas que, por não haver liberdade de expressão, me dão direito a um processo. Não estou para engordar porcos, presos à estaca!!). 




Eu disse isso?


A MENTIRA é o desígnio desta escumalha.
Mentem quanto baste para se alcandorarem nos poderes.
Depois, como não são eles que ditam as leis e regras que regem o país fazem a triste e patética figura de «palhaços do circo governamental», por um lado, ao estarem sempre em contradição com o que diz o «parceiro» do governo, seja ele vice, secretário ou ministro; depois rastejam, submetem-se sem quaisquer dores de rins nem de coluna, pelo simples facto de não a terem, aos ditames da «Europa connosco»!!
FEIOS, PORCOS E MAUS. LAVEM-SE COM SABÃO MACACO.   

VERGONHA

Tenho vergonha dos jagunços que nos governam.
Para além de pantomineiros -  o país está melhor!!!
São escabrosos e anti sociais - serviços públicos a encerrarem e, os que restam não têm meios para servir as populações!!!
No entretanto, a população portuguesa agonia, morre de fome!!!
ESCABROSO!!!


Gostei de ler


Políticos, os mais sacrificados no salário

«Sempre que há um corte salarial, um aumento de impostos ou, de um modo geral, algo que nos faz perder remunerações, salta uma quantidade de gente que pergunta: e os políticos?
Pois bem, se as contas do meu colega e amigo João Silvestre , publicadas ontem no Expresso, estão certas (e as contas do João Silvestre estão sempre certas) os políticos foram os mais afetados pelas perdas de salários pagos pelo erário público entre outubro de 2011 e outubro de 2013. Perderam exatamente 11 por cento, ou seja, em média, 313 euros mensais.
Em valor absoluto o recorde vai para os diplomatas, que perderam 532 euros mensais, o que corresponde a seis por cento do salário. Os conservadores, notários e médicos também tiveram cortes substanciais. E, muito curiosamente - para mim uma surpresa absoluta, os professores universitários e do politécnico, os dirigentes superiores da Administração Pública e, como se já sabia, os agentes da GNR e da PSP não foram prejudicados. Os primeiros, ficaram mais ou menos na mesma, tendo em conta a inflação. Os agentes de segurança ganham agora mais.
Duas conclusões breves:
1)       Nem sempre quem mais se queixa é quem mais perde; havendo até quem não se queixe (políticos, diplomatas) e perca bastante;
2)      Para aqueles que acham que a saída do Euro era um bálsamo digo que uma quebra de 11 por cento, se comparada com um eventual regresso ao escudo, é uma brincadeira de crianças. Com um moeda própria todos - sublinho todos, pois não haveria distinções entre ricos e pobres - perderíamos à volta de 40 ou 50%, se mais não fosse.
E é assim: nem sempre o que parece é...»
Afinal a crise quando nasce não é para TODOS!!!
Para alguns....
Os parasitas sociais continuam a ser os mais beneficiados.
É A CRISE PARA OS OUTROS, ESTÚPIDO!!!

domingo, abril 20, 2014

Everything's not lost


Everything's not lost (Nie wszystko stracone) from jeszczeinaczej.pl.

MISÉRIA HUMANA MAS COM DIGNIDADE E COM AMOR.

Ted Talk - Helen Fisher conta-nos porque é que amamos e traímos

Uma VERDADEIRA APRENDIZAGEM, como aliás são, na quase totalidade, os vídeos da série TED.
A antropóloga Helen Fisher escolheu um tópico complicado - o amor - e explica-nos a sua evolução, as suas bases bioquímicas e a sua importância social. Conclui deixando-nos um aviso sobre o potencial desastre inerente ao abuso de antidepressivos.

Discussões da TRETA

É assim que certos políticos fazem valer os seus pontos de vista.
Tudo a ver.
Depois ainda dizem que é preciso credibilizar a política!!!
Mais uma paródia nacionalista!!!

sábado, abril 19, 2014

O 25 de Abril em Graffiti

O Poder, a Arrogância, a Estupidez e a Miséria

A desobediência civil não é o nosso problema. O nosso problema é que pessoas por todo o mundo têm obedecido às ordens de líderes e milhões têm morrido por causa dessa obediência. O nosso problema é que as pessoas são obedientes por todo o mundo face à pobreza, fome, estupidez, guerra e crueldade. O nosso problema é que as pessoas são obedientes enquanto as cadeias se enchem de pequenos ladrões e os grandes ladrões governam o país. É esse o nosso problema.
Estas palavras foram escritas por Howard Zinn, um historiador, cientista político, ativista e dramaturgo americano, falecido em 2010 e autor de obras como “A People`s History of the United States” e “Disobedience and Democracy: Nine Falacies on Law and Order”. Vieram-me à memória, vá-se lá saber porquê, após a leitura de uma notícia publicada numa das últimas edições deste mesmo semanário, com um título curioso e algo ultrajante: “Fernando Girão novamente condenado”.
A história conta-se em poucas palavras. O ex-presidente da ULS da Guarda e candidato derrotado do PS à câmara de Foz Côa, Fernando Girão, que já havia sido condenado há uns meses por um crime de violação de correspondência no caso da já célebre novela do papel timbrado usado num abaixo-assinado sobre as maternidades, foi agora condenado por mais quatro crimes, desta feita de difamação agravada.
Como não é frequente obter-se a condenação de pessoas associadas ao poder, para mais com ligações a mais de um partido no qual um dia militaram, enchi-me de curiosidade e saltei para dentro deste assunto com o mesmo entusiasmo com que um adolescente da minha geração se atirava a uma das populares aventuras dos Cinco.
A sentença condenatória, que é pública, é aquilo que em linguagem popular se poderia chamar de um genuíno “arraial de pancadaria jurídica”. Estupefacto, percebi finalmente a verdadeira história por detrás das muitas notícias que não compreendia bem, desde as multas de 33 mil euros aplicadas aos médicos Matos Godinho e Henrique Fernandes pelo uso de duas folhas de papel timbrado do hospital, até ao despedimento deste último profissional, autenticamente fabricado a martelo e com fracasso garantido.
Está lá tudo. Telefonemas do governo, ambiente de terror, perseguições, manipulações, etc. Para resumir, encontramos nesta sentença o pior daquilo que a natureza humana é capaz. Garanto-vos que Fernando Girão e os que com ele um dia privaram ou que em algum momento acreditaram no que quer que ele lhes tivesse dito acerca deste filme não ficam nada bem na fotografia.
Pelo meio ficámos a saber que Fernando Girão só não levou uma pena maior por se encontrar em grandes dificuldades financeiras e por ter já mais do que uma penhora no seu ordenado. É triste, mesmo muito triste. Até para quem não tenha pena dele.
Mas o que mais me espantou foi perceber que aqueles dois médicos não são deste mundo. Para não pensarem que exagero, convido-vos a lerem integralmente a sentença e a julgarem por vós. Apenas vos digo que são aquele tipo de pessoas, infelizmente muito raras, que nos permitem olhar para a velha dúvida de Aristóteles “haverá flagelo mais terrível do que a injustiça de armas na mão?” com outros olhos e com muita esperança.
A tragédia de tudo isto é que a ULS da Guarda pode queixar-se de ter sido a única instituição do género a ser alguma vez governada por condenados. O que já vai sendo um hábito. Não esqueçamos que o atual presidente conseguiu ser condenado até antes de para cá vir, podendo por isso juntar-se a Fernando Girão na galeria dos notáveis, apesar de nenhum deles ter governado o país. Quanto a Ana Manso, a ser investigada no celebérrimo caso do “marido auditor interno”, ainda estamos para ver. Ai, ai, ai…

Moral da história: ser-se presidente todo-poderoso da ULS e ter-se falta de muita coisa, pode até ser, mas não se recomenda. Mesmo nada.

(Crónica no jornal "O Interior" - 9 de Abril de 2014)

Esta não lembrava nem ao Judas.....por falar em Páscoa


Esta de ONERAR bebidas e alimentos sólidos embalados que registem quantidades de sal e de açúcar superiores a determinados níveis revela a ignorância desta corja que diz governar um país, chamado Portugal!!!
Uma pergunta, qual a razão pela qual não oneram mais as bebidas alcoólicas, cervejas por exemplo?
ALTO - GRITA O PIRES DE LIMA!!!
ISSO NUNCA, SÓ POR CIMA DO MEU CADÁVER!!!
Então e o meu império???
FEZ-SE SILÊNCIO NA SALA!!!
Depois da outra do Banco de Portugal, com cara de mulher do D. João V, vir dizer que os portugueses deviam pagar uma taxa por qualquer movimento bancário, esta é a anedota do século.
Decididamente, este governo só sai com benzina, é uma nódoa imperfeita!!!
Pague o imposto da imbecilidade e JÁ!!! 

Porque hoje é sábado....


A música da NOSSA terra.
Interventiva quanto baste e de ENORME qualidade.
APROVEITEM!!!

A «justiça» dos poderosos


Será desta que o senhor Lima vai ser recambiado para o Brasil, onde não há corrupção....JUDICIAL, EHEHEHEHE!!!!
Saia uma medalha no dia da raça.....para o comendador!!!

O país está melhor? Claro que está.....PARA ELES!!!


Ponto de vista

Durão Barroso, armado em candidato às próximas presidenciais, começou finalmente a dar nas vistas, dando entrevistas. Numa das últimas fez aquilo que por vezes acontece a quem corre quando devia era estar sentado: espalhou-se ao comprido.
Depois de uma enfiada de elogios ao governo e a Cavaco Silva, que me trouxe à memória aquela patética imagem das sociedades amigáveis de palmadinhas nas costas, Durão Barroso resolveu falar na educação em Portugal. Arrebatado consigo mesmo, elogiou com saudade a “cultura de excelência” nas escolas de antes do 25 de Abril. Assim mesmo.
Vamos então recordar do que falou Durão Barroso, o português que um dia, com a educação que se sabe, fugiu para a Europa a sete pés depois de ter feito por cá tudo aquilo que muitos ainda recordam.
O tal ensino que Barroso considera de excelência ia apenas até à terceira classe. Só mais tarde, por imposição da OCDE, a escolaridade passou para 4.ª classe, mas ainda assim sem carácter obrigatório. Para o tal ensino de excelência bastava saber de cor e salteado as linhas de caminho-de-ferro de Angola e as culturas agrícolas praticadas no Brasil, que por sinal era um país independente desde 1822. E para quem não quisesse aprender, estava reservada a velhinha reguada na palma da mão ou a saudosa cana-da-índia nos nós dos dedos.
O corporativismo, religião oficial do regime, estendia-se à educação e ao sistema de ensino. Os filhos dos doutores seriam doutores, os dos pedreiros seriam pedreiros, e por aí fora. Essa política só mudou um pouco para o fim, quando, contra a vontade de Salazar, foram criadas as escolas industriais e comerciais para os filhos da ralé, por os Alfredos da Silva e os Mellos terem descoberto que nas suas indústrias eram precisos técnicos com mais do que a 4.ª classe e que soubessem mais do que simplesmente  assinar o seu nome ou fazer trocos de tostões nas mercearias e tabernas do Portugal profundo.
A separação escolar entre os sexos era a regra. Rapazes para um lado, raparigas para o outro. Já agora, no caso delas, com cursos de lavores e de cozinha, que assim se defendiam as virtudes, fosse qual fosse o significado de tal coisa. Resultado: um analfabetismo que durante muitos anos nos alcandorou ao pódio daquilo que pior havia por essa Europa fora.
A única excelência de que a esse tempo me recordo consistia no substantivo feminino que pretendia atribuir primazias: sua “excelência” o senhor presidente do Concelho, ou sua “eminência” o senhor cardeal, ou coisas do género.
Mas mais do que as palavras, julguemos os actos. Durão Barroso é daqueles que, no dia a seguir ao 25 de Abril, andou a espalhar a revolução maoísta pela universidade, a agredir adversários políticos, a praticar a caça ao bufo e a sanear os mesmíssimos professores que até esse dia praticavam a “cultura de excelência” que agora elogia. Por isso não admira que Barroso se identifique com os acéfalos que confundem educação e ensino.
Claro que a escola de hoje não é bem aquilo que um dia almejámos. Do afastamento de qualquer cultura democrática, passando pelo encerramento de milhares de escolas e pelo financiamento simultâneo de escolas privadas desnecessárias, até ao desfasamento de quase todas elas em relação ao mercado de trabalho, muita coisa vai mal. Sadicamente, sobretudo por culpa de muitos “Durões” que por aí andam.

Alguém disse que quem não tem vergonha não tem consciência. Eu penso exactamente o contrário. Durão Barroso, não tendo nada de uma, tem muito da outra. Tem consciência de que este povo, capaz do melhor e do pior, pode mesmo vir um dia a elegê-lo presidente da República. E se isso acontecer, a profecia cumpre-se. Não foi Salazar, o pai da tal “cultura de excelência”, quem afirmou um dia que cada povo tem os políticos que merece? Ora aí têm! 
Com ou sem excelência, muito bom dia a todos…

(Crónica na rádio F - dia 14 de Abril de 2014)